Home » Alerj blinda deputada acusada por MP de ser braço da milícia

Alerj blinda deputada acusada por MP de ser braço da milícia

por Agora Noticias Brasil
0 Comente
alerj-blinda-deputada-acusada-por-mp-de-ser-braco-da-milicia

Nesta quinta-feira, 20, o Conselho de Ética da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) arquivou o processo de quebra de decoro parlamentar contra a deputada Lucinha (PSD).

A decisão, que contou com quatro votos a favor e dois contra, ocorre em meio a graves acusações de envolvimento com a milícia de Luiz Antônio da Silva Braga, conhecido como Zinho. Lucinha e sua ex-assessora, Ariane Afonso Lima, foram denunciadas pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) por participarem do núcleo político da milícia de Zinho. Segundo a denúncia, Lucinha e Ariane atuavam para defender os interesses da organização criminosa junto ao poder público.

  • Deputada cassada por fazer harmonização com dinheiro público diz que provas foram forjadas
  • Vídeo: Lula constrange mulher durante entrega do Minha Casa Minha Vida

A denúncia, assinada pelo procurador-geral de justiça Luciano Mattos, inclui diálogos entre a deputada e Domício Barbosa de Souza, o Dom, que revelam a interferência da parlamentar em favor da milícia. Em uma das mensagens, Dom pede ajuda a Lucinha para liberar milicianos presos.

O processo contra Lucinha no Conselho de Ética começou em abril de 2024, mas a fase de instrução processual foi encerrada no início de junho, após o depoimento da deputada. Isso gerou críticas sobre a celeridade com que o processo foi conduzido, já que nem todas as provas foram analisadas.

Dom, conhecido como “professor” e “Toreto”, era responsável pela administração dos recursos financeiros da milícia. Ele foi identificado como o elo entre Zinho e Lucinha, com evidências apontando que a deputada compartilhava informações privilegiadas com a milícia. As investigações revelaram que Lucinha ajudava na liberação de milicianos presos e fornecia detalhes sobre a agenda de visitas do prefeito Eduardo Paes à Zona Oeste, facilitando a atuação da milícia.

Apesar dessas evidências, o relator do processo, Vinícius Cozzolino (União Brasil), argumentou que as provas não demonstravam uma conexão direta entre Lucinha e a milícia, criticando o MP por tentar influenciar a votação com a denúncia apresentada dias antes. Em nota, Lucinha classificou as acusações como uma perseguição política, afirmando que sua inocência será comprovada.

O caso agora será enviado à mesa diretora da Alerj, que decidirá se será levado ao plenário ou arquivado definitivamente.

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

Nossa Casa TV © Todos direitos reservados