Home » Análise: presidente da Câmara dos EUA tem o destino da Ucrânia em suas mãos | CNN Brasil

Análise: presidente da Câmara dos EUA tem o destino da Ucrânia em suas mãos | CNN Brasil

por karolineporto
0 Comente
analise:-presidente-da-camara-dos-eua-tem-o-destino-da-ucrania-em-suas-maos-|-cnn-brasil

O presidente da Câmara, Mike Johnson, tem o destino de uma democracia e de um povo nas mãos. Não é o dos Estados Unidos, que sobreviverão – mesmo que as próximas eleições gerais resultem em um outro teste existencial para o sistema constitucional.

O país que Johnson tem o poder de salvar é a Ucrânia, dois anos depois da invasão do presidente russo Vladimir Putin, que decretou que a nação não tinha o direito de existir.

Os soldados da Ucrânia – presos em uma cena infernal de guerra de trincheiras ao estilo da Primeira Guerra Mundial – estão ficando sem munições. Há sinais de que a Rússia pode estar prestes a romper um impasse e virar a guerra a seu favor.

Johnson, um deputado que foi a última escolha para liderar a amotinada maioria republicana na Câmara no ano passado, poderia aliviar a agonia da Ucrânia e ajudar a garantir a sua sobrevivência como nação independente nos próximos dias.

Ele poderia permitir a votação de um projeto de lei que inclui US$ 60 bilhões em ajuda que o Pentágono diz ser necessária para permitir que Kiev continue a lutar eficazmente. Provavelmente seria aprovado com uma confortável maioria bipartidária.

A relutância do republicano da Louisiana em fazê-lo é um comentário sobre o poder crescente do líder do Partido Republicano, Donald Trump, sobre o forte afastamento do seu partido da sua herança globalista pró-democracia e talvez até a sua própria ambição, uma vez que pedir emprestados votos democratas para financiar a defesa da Ucrânia poderia custar-lhe o cargo.

O presidente está sob extrema pressão em múltiplas frentes, no país e no exterior, à medida que crises coincidentes que ele adiou durante sua recente presidência fervilham de uma só vez. Mais imediatamente, sem um acordo orçamental com o Senado democrata, o governo poderá se precipitar em uma paralisação parcial até o fim de semana.

Sua situação será destacada em uma reunião dos quatro principais líderes do Congresso na Casa Branca, na terça-feira (27), convocada pelo presidente Joe Biden.

O tranquilo cidadão da Luisiana é assediado pela intensificação dos apelos entre os republicanos que se opõem a mais ajuda à Ucrânia, especialmente da ala pró-Trump da sua conferência, enquanto procura se agarrar ao seu trabalho por mais tempo do que o seu malfadado antecessor Kevin McCarthy.

Deputado Mike Johnson fala com jornalistas / 25/10/2023 REUTERS/Nathan Howard

Mas o dilema solitário de Johnson está se agravando à medida que a administração o aponta como o único homem que pode frustrar ou permitir a tentativa de Putin de varrer a Ucrânia do mapa. O presidente Volodymyr Zelensky advertiu veementemente, em uma entrevista à CNN, que o seu país não conseguiria repelir a Rússia sem a ajuda.

Os governos estrangeiros que temem que a coligação ocidental contra Moscou possa desmoronar sem o dinheiro e a influência dos EUA têm apelado ao presidente da Câmara para agir. E a pressão das forças de Zelensky que enfrentam derrotas no campo de batalha ameaça entregar a culpa aos republicanos se as armas desesperadamente necessárias não forem rapidamente enviadas para a frente de batalha.

É um quadro assustador para um presidente que saiu da obscuridade há apenas alguns meses e que não tem a experiência, a inteligência na contagem de votos e a influência necessárias para persuadir uma maioria republicana.

Até agora, Johnson apresentou poucas provas de que tenha a destreza política necessária para sair dessa situação arriscada. Mas mesmo um mestre na flexibilização dos músculos parlamentares pode ter dificuldades com uma mão tão fraca.

A sua minúscula maioria significa que ele pode perder apenas alguns votos entre os membros do Partido Republicano para aprovar um projeto de lei – uma realidade que dá aos membros extremistas uma influência descomunal. O destino de McCarthy, deposto no ano passado pelo seu próprio lado, lança dúvidas diárias sobre a capacidade de Johnson de sobreviver.

A ameaça surge do próprio flanco de extrema direita do presidente, em um partido que é cada vez mais nacionalista, populista e isolacionista depois de ter sido transformado por Trump. Um pacote de ajuda de US$ 60 bilhões a uma democracia no exterior é incompatível com o credo do movimento “Make America Great Again” do ex-presidente Trump – e é amplamente contestado pelos eleitores republicanos nas bases.

Assim, mesmo que Johnson queira resgatar a Ucrânia, poderá ser politicamente impossível fazê-lo. Nada pode ser garantido em um Congresso turbulento, com uma maioria republicana na Câmara que tornou os Estados Unidos quase ingovernáveis e está ameaçando o papel de liderança global americana.

Congresso dos EUA em Washington
Congresso dos EUA em Washington / 16/1/2024 REUTERS/Leah Millis

Uma reunião tensa na Casa Branca em perspectiva

Johnson estará em desvantagem numérica nesta terça-feira (27). Se juntando a ele nos sofás do Salão Oval estarão o líder da minoria na Câmara, Hakeem Jeffries, o líder republicano do Senado, Mitch McConnell, e o líder democrata do Senado, Chuck Schumer – todos os quais apoiam o envio rápido e significativo de ajuda para a Ucrânia.

“Há uma forte maioria bipartidária na Câmara pronta para aprovar esse projeto de lei se ele for aprovado”, disse o conselheiro de segurança nacional de Biden, Jake Sullivan, à CNN no domingo (25).

“E essa decisão recai sobre os ombros de uma pessoa. E a história está observando se o presidente da Câmara, Johnson, colocará esse projeto de lei no plenário. Se o fizer, tudo será aprovado e daremos à Ucrânia o que ela precisa para ter sucesso”. Sullivan acrescentou: “Se não o fizer, não seremos capazes de dar à Ucrânia as ferramentas necessárias para enfrentar a Rússia, e Putin será o principal beneficiário disso”.

Mas a pressão que Johnson enfrenta na Casa Branca será insignificante em comparação com a fúria que ele invocará no Capitólio se ceder a Biden.

Para alguns republicanos, a aprovação de um novo pacote de ajuda à Ucrânia constituiria outro grave fracasso para uma maioria da Câmara que enfureceu repetidamente os seus legisladores mais direitistas ao não conseguir decretar cortes extremos nas despesas, apesar da realidade de que o poder político de Washington é controlado em dois terços pelos democratas.

O destino da Ucrânia também é refém da crescente sorte política de Trump. O ex-presidente ainda está furioso com o seu primeiro impeachment, que girou em torno de uma tentativa de coagir o governo de Zelensky, e parece favorecer Putin em detrimento da democracia no conflito. Ele avisou que não deveria ser enviada mais ajuda dos EUA, uma vez que ancora a sua campanha na crise da fronteira sul, embora não tenha descartado totalmente a ajuda à Ucrânia.

Ele disse em uma publicação nas redes sociais, em 10 de fevereiro, por exemplo, que um empréstimo poderia ser possível – embora a Ucrânia, com a sua economia destruída, não estivesse em condições de reembolsar tão cedo. O plano de Trump parecia mais um esquema com fins lucrativos do que uma defesa de uma nação sob ataque.

Veja também: Imagens mostram a destruição da guerra entre Rússia e Ucrânia

  • 1 de 20

    Veja imagens que mostram a destruição da guerra na Ucrânia após cerca de um ano e meio de conflito

    Crédito: 30/06/2023 REUTERS/Valentyn Ogirenko

  • 2 de 20

    Vista mostra ponte Chonhar danificada após ataque de míssil ucraniano, em Kherson, Ucrânia

    Crédito: 22/06/2023Líder da região de Kherson Vladimir Saldo via Telegram/Handout via REUTERS

  • 3 de 20

    Casas inundadas em bairro de Kherson, Ucrânia, quarta-feira, 7 de junho de 2023.

    Crédito: Felipe Dana/AP

  • 4 de 20

    Prédio destruído em Mariupol, na Ucrânia

    Crédito: 14/04/2022 REUTERS/Pavel Klimov

  • 5 de 20

    Área residencial inundada após o colapso da barragem de Nova Kakhovka na cidade de Hola Prystan, na região de Kherson, Ucrânia, controlada pela Rússia, em 8 de junho.

    Crédito: Alexander Ermochenko/Reuters

  • 6 de 20

    Imagens de drone obtidas pelo The Wall Street Journal mostram soldado russo se rendendo a um drone ucraniano no campo de batalha de Bakhmut em maio.

    Crédito: The Wall Street Journal

  • 7 de 20

    Vista aérea da cidade ucraniana de Bakhmut

    Crédito: Vista área da cidade ucraniana de Bakhmut em imagem de vídeo15/06/202393rd Kholodnyi Yar Brigade/Divulgação via REUTERS

  • 8 de 20

    Socorristas trabalham em casa atingida por míssil, em Kramatorsk, Ucrânia

    Crédito: 14/06/2023Serviço de Imprensa do Serviço Estatal de Emergência da Ucrânia/Handout via REUTERS

  • 9 de 20

    A cidade de Velyka Novosilka, na linha de frente, carrega as cicatrizes de um ano e meio de bombardeios.

    Crédito: Vasco Cotovio/CNN

  • 10 de 20

    Crateras e foguetes não detonados são uma visão comum na cidade de Velyka Novosilka, que foi atacada pelas forças russas.

    Crédito: Vasco Cotovio/CNN

  • 11 de 20

    Policial ucraniano dentro de cratera perto do edifício danificado por drone russo.

    Crédito: Reprodução/Reuters

  • 12 de 20

    Rescaldo de um ataque de míssil russo na região de Zhytomyr

    Crédito: Bombeiros trabalham em área residencial após ataque de míssil russo na cidade de Zviahel, Ucrânia09/06/2023. Press service of the State Emergency Service of Ukraine in Zhytomyr region/Handout via REUTERS

  • 13 de 20

    Danos à barragem de Nova Kakhovka, no sul da Ucrânia, são vistos em uma captura de tela de um vídeo de mídia social.

    Crédito: Telegram/@DDGeopolitics

  • 14 de 20

    Vista da ponte destruída sobre o rio Donets

    Crédito: Lev Radin/Pacific Press/LightRocket via Getty Images

  • 15 de 20

    Ataque com míssil mata criança de 2 anos e deixa 22 pessoas feridas na Ucrânia, diz governo

    Crédito: Ministério da Defesa da Ucrânia/Divulgação/Twitter

  • 16 de 20

    Foto tirada por ucraniana após ataques com drones russos contra Kiev. Drones foram abatidos, mas destroços provocaram estragos.

    Crédito: Andre Luis Alves/Anadolu Agency via Getty Images

  • 17 de 20

    Morador local de pé em frente a prédio residencial fortemente danificado durante o conflito Rússia-Ucrânia, no assentamento de Toshkivka, região de Luhansk, Ucrânia controlada pela Rússia

    Crédito: 24/03/2023REUTERS/Alexander Ermochenko

  • 18 de 20

    Soldados ucranianos disparam artilharia na linha de frente de Donetsk em 24 de abril de 2023.

    Crédito: Muhammed Enes Yildirim/Agência Anadolu/Getty Images

  • 19 de 20

    Ataque de mísseis russos atingem prédio residencial em Uman, na região central da Ucrânia

    Crédito: Reuters

  • 20 de 20

    Vista aérea da cidade ucraniana de Bakhmut capturada via drone

    Crédito: 15/04/2023 Adam Tactic Group/Divulgação via REUTERS

“Nunca deveremos mais dar dinheiro sem a esperança de retorno ou sem ‘compromissos’. Os Estados Unidos da América não deveriam mais ser ‘estúpidos’!”, escreveu Trump na sua rede social Truth Social.

Os líderes do Partido Republicano mantêm a linha de que não pode haver ajuda para a Ucrânia sem um novo e vigoroso esforço para proteger a fronteira americana, após um número recorde imigrantes no final do ano passado.

Não há dúvida de que há uma crise fronteiriça. Mas Trump e os republicanos da Câmara combinaram para anular um compromisso bipartidário no Senado que teria produzido as reformas de aplicação mais conservadoras dos últimos anos – aparentemente porque o ex-presidente queria privar Biden de uma vitória em ano eleitoral.

Mas a mensagem do Partido Republicano é uma força unificadora no partido. “Tantos cidadãos estão dizendo: estamos enviando bilhões de dólares para proteger a Ucrânia enquanto nosso país permanece aberto”, disse o deputado Byron Donalds da Flórida, um aliado de Trump, à NBC no domingo.

Pressão que vem do exterior

Johnson está sob forte pressão de Zelensky, que está cada vez mais desesperado dadas as dúvidas crescentes sobre a sua capacidade de resistir às forças de Putin a longo prazo. O presidente ucraniano referiu na entrevista à CNN que o presidente Johnson já tinha lhe garantido apoio. “O que posso fazer? Não posso forçar o presidente. Essa decisão é dele. Mas acho que ele entende todos os desafios que temos”, disse Zelensky. “Eu tenho que confiar. Mas veremos”.

Johnson também enfrenta intenso lobby por parte das principais vozes da aliança ocidental. Nos Estados Unidos, em dezembro, o secretário das Relações Exteriores britânico, David Cameron, se encontrou com o presidente e disse à CNN que Washington era a peça central de todo o esforço de guerra e que o dinheiro faria uma “enorme diferença”.

Ele continuou a defender o pacote desde então, despertando a ira de uma das principais apoiadoras de Trump na Câmara, a deputada Marjorie Taylor Greene, da Geórgia, que disse que o Lorde britânico poderia “beijar a minha b****”.

Presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Mike Johnson / 25/10/2023 REUTERS/Elizabeth Frantz

Outros amigos dos Estados Unidos estão alertando Johnson para um golpe catastrófico no prestígio e poder dos EUA no exterior se o pacote não for aprovado. O ministro das Relações Exteriores da Polônia, Radoslaw Sikorski, implorou a Johnson que considerasse as consequências de atrasar ainda mais a salvação da Ucrânia.

“Eu diria, senhor presidente, que é o destino da Ucrânia, é o povo torturado da Ucrânia que implora, mas é também a credibilidade do seu país que está em jogo”, disse Sikorski. O ministro observou que Biden viajou para Kiev no ano passado e colocou a credibilidade dos EUA à mostra, acrescentando: “A palavra dos Estados Unidos foi dita. Precisa ser acompanhada de ações”.

O deputado democrata Seth Moulton, de Massachusetts, disse à CNN na segunda-feira (26), após retornar de uma viagem à Ásia, que os aliados dos EUA estavam observando de perto os movimentos de Johnson porque o que ele fizer a seguir influenciará outros adversários dos EUA.

“Foi fantástico. As autoridades de Taiwan e do Japão estavam extremamente focadas em entregar ou não ajuda à Ucrânia por causa da mensagem que isso envia a Xi Jinping na China, alguém, um ditador, que disse que quer invadir Taiwan”, disse Moulton.

Se a persuasão não influenciar Johnson, a pressão dos acontecimentos poderá fazê-lo. As autoridades ucranianas e norte-americanas já alertam que a escassez de munições está causando perdas de território e aumentando o número de vítimas.

Se os desarmados ucranianos sofrerem uma série de derrotas no campo de batalha – e as forças de Putin avançarem – o presidente da Câmara e a sua maioria republicana poderão ser responsabilizados por uma crise que poderá ameaçar a Otan e aumentar as possibilidades de hostilidades envolvendo tropas americanas.

“Se os EUA não fornecerem assistência militar, em breve começaremos a ver os russos obterem ganhos significativos”, disse Frederick Kagan, estudioso do American Enterprise Institute. “Se não prestarmos mais assistência, é bem possível que acabemos por ver a linha da frente começar a se mover muito rapidamente em direção ao oeste até ao final desse ano”.

O enigma de Johnson está enraizado em políticas internas traiçoeiras, mas tem profundas implicações internacionais. E não há sinal de que ele saiba como resolver isso.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

Nossa Casa TV © Todos direitos reservados