Home » Análise: quem está ganhando a guerra na Ucrânia? | CNN Brasil

Análise: quem está ganhando a guerra na Ucrânia? | CNN Brasil

por karolineporto
0 Comente
analise:-quem-esta-ganhando-a-guerra-na-ucrania?-|-cnn-brasil

Índice

Após dois anos de guerra na Ucrânia, a maré mudou e as forças russas têm algum ímpeto, segundo o general reformado dos EUA, David Petraeus.

Mas ele disse que os russos sofreram baixas surpreendentes e que a Ucrânia ainda pode resistir à invasão do presidente russo, Vladimir Putin, se obtiver o apoio de que necessita dos Estados Unidos.

A invasão em grande escala da Ucrânia pela Rússia, que começou desastrosamente para Putin, marca o seu segundo aniversário neste fim de semana. Para ter uma visão melhor do estado da guerra, a CNN conversou com o ex-diretor da CIA, David Petraeus, que foi o general comandante durante as guerras lideradas pelos EUA no Afeganistão e no Iraque e é coautor, com lorde Andrew Roberts, do novo livro “Conflito: A Evolução da Guerra de 1945 até a Ucrânia”.

No fim de semana passado, o general Petraeus esteve na Conferência de Segurança de Munique, a principal conferência global de segurança nacional, que contou com a presença de praticamente todos os líderes europeus e de autoridades americanas do alto escalão – incluindo a vice-presidente Kamala Harris e o secretário de Estado Antony Blinken.

A atmosfera na conferência foi sombria, acontecendo quando surgiram as notícias chocantes da morte de Alexei Navalny e à sombra da retirada da Ucrânia da importante cidade oriental de Avdiivka, tudo colocando em foco os apelos apaixonados do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, por assistência militar adicional.

Pouco depois do término da conferência, conversei com o general Petraeus. Nossa conversa foi levemente editada para maior clareza.

BERGEN: Como estava o clima na Conferência de Segurança de Munique?

PETRAEUS: Foi diferente de qualquer Conferência de Segurança de Munique em que já participei – e tenho participado desde que era major e redator de discursos do Comandante Supremo Aliado da Europa no final da década de 1980.

Normalmente, temos lá a delegação dos EUA que pressiona todos os outros a fazerem mais. Mas dessa vez, os europeus nunca estiveram tão sérios, enquanto havia uma incerteza considerável do lado americano: preocupações sobre o compromisso dos EUA de apoiarem continuamente a Ucrânia e preocupações sobre a vontade dos EUA de continuarem a fornecer a sua liderança muito importante no mundo em geral.

Houve elementos encorajadores – os europeus estão se intensificando, por exemplo, com o chanceler alemão Olaf Scholz no palco da conferência se comprometendo a gastar 2% do PIB da Alemanha em defesa. Tenha em mente que esta é a terceira economia do mundo atualmente, o que representa um desenvolvimento significativo.

A vice-presidente Kamala Harris se encontrou neste sábado (17) com o presidente Zelensky / REUTERS

E o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, anunciou que esse ano 18 dos 31 países da Otan cumprirão os 2% do PIB em compromissos com a defesa, marcando um aumento constante entre os membros europeus.

Apesar da Europa ter intensificado muito a sua ação – e a UE, pouco antes da Conferência de Segurança de Munique, ter anunciado 50 bilhões de euros adicionais em ajuda à Ucrânia – o apoio adicional americano está em jogo no Congresso dos EUA, e isso é desesperadamente necessário.

Dito isso, muitos dos membros da Câmara que estiveram na conferência de Munique, incluindo alguns dos republicanos que estão firmes na defesa e na resistência contra a Rússia, acreditam que os votos estão aí e que conseguirão fazer com que isso seja aprovado. Mas o atraso, a indecisão, a incerteza certamente foram algo que pesou no ânimo em Munique.

Putin analisa a legislação estagnada no Congresso dos EUA e a aparente incapacidade de tomar uma decisão no sentido de apoiar uma democracia que compartilha amplamente os nossos valores e princípios – por mais imperfeitamente que o façam – e que foi brutalmente invadida. E depois olha para as eleições presidenciais dos EUA em novembro, e olha para a retórica da campanha e, sem dúvida, também retira alguma esperança disso.

BERGEN: Quem está ganhando a guerra na Ucrânia?

PETRAEUS: Não tenho certeza se algum dos lados está ganhando a guerra. Os russos têm obviamente conseguido ganhos incrementais, e os russos têm a iniciativa nesse momento, tendo acabado de forçar os ucranianos a se retirarem de Avdiivka, no sudeste.

Existem várias outras áreas em que os russos estão atacando no leste e no sul e usando enormes quantidades de artilharia que geralmente destroem tudo o que estão tentando capturar e depois usando ondas de ataques humanos que são extraordinariamente dispendiosos em termos de baixas, no entanto, eles parecem ser capazes de sustentar isso. Vladimir Putin parece não estar preocupado com essas perdas e ainda parece ser capaz de continuar a gerar recrutas adicionais.

Putin se reúne com ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, em Moscou / 20/02/2024 Sputnik/Alexander Kazakov/Pool via REUTERS

Uma questão, claro, é: poderá chegar um ponto em que o povo russo, especialmente as mães, os pais e as esposas russas, digam: “Não é mais o meu filho, já não é o meu marido”? E tem havido manifestações modestas para trazer os rapazes para casa, embora isso certamente não tenha atingido uma quantidade substancial nem tenha sido particularmente influente.

A Rússia também tem uma longa história de não permitir oposição durante períodos consideráveis. Alexey Navalni acabou de morrer na prisão (CNN: o Kremlin negou acusações de envolvimento), e um piloto de helicóptero russo que desertou para a Ucrânia no início da guerra acabou de ser encontrado morto a tiros na Espanha (CNN: Moscou disse que não tinha informações sobre o assunto).

Basicamente, está eliminando qualquer ilusão de que a Federação Russa seja outra coisa senão uma ditadura stalinista.

BERGEN: Você está surpreso por já estarmos há dois anos nessa guerra sem fim à vista?

PETRAEUS: Bem, não necessariamente. Embora os ucranianos tenham demonstrado operações de combate realmente impressionantes no primeiro ano da guerra – vencendo as batalhas de Kiev, Kharkiv, Chernihiv, Sumy e Kherson – assim que as linhas de batalha se endureceram e os russos foram capazes de estabelecer defesas, a contraofensiva dependeu do fornecimento de certos sistemas de armas em tempo suficiente para que os ucranianos pudessem implantá-los em grande número. E, obviamente, isso não aconteceu.

Embora a resposta liderada pelos EUA à invasão tenha sido muito impressionante em muitos aspectos, houve atrasos em certas decisões que significaram que os ucranianos não tinham tanques dos EUA em tempo útil, por exemplo, e essa decisão levou a atrasos alemães na aprovação dos tanques Leopard. Os ucranianos também não tinham aeronaves ocidentais que teriam fornecido apoio aéreo às suas forças terrestres.

Os EUA também precisam fornecer à Ucrânia mais Sistemas de Mísseis Táticos do Exército de longo alcance, os ATACMS, que permitam aos ucranianos atingir com precisão alvos distantes em território controlado pela Rússia.

Então, quando você leva isso em conta, não acho que seja uma surpresa. Os russos certamente aprenderam certas lições depois de aparentemente não terem sido capazes de fazer isso durante o primeiro ano ou mais de guerra.

Imagens mostram a destruição da guerra entre Rússia e Ucrânia

  • 1 de 20

    Veja imagens que mostram a destruição da guerra na Ucrânia após cerca de um ano e meio de conflito

    Crédito: 30/06/2023 REUTERS/Valentyn Ogirenko

  • 2 de 20

    Vista mostra ponte Chonhar danificada após ataque de míssil ucraniano, em Kherson, Ucrânia

    Crédito: 22/06/2023Líder da região de Kherson Vladimir Saldo via Telegram/Handout via REUTERS

  • 3 de 20

    Casas inundadas em bairro de Kherson, Ucrânia, quarta-feira, 7 de junho de 2023.

    Crédito: Felipe Dana/AP

  • 4 de 20

    Prédio destruído em Mariupol, na Ucrânia

    Crédito: 14/04/2022 REUTERS/Pavel Klimov

  • 5 de 20

    Área residencial inundada após o colapso da barragem de Nova Kakhovka na cidade de Hola Prystan, na região de Kherson, Ucrânia, controlada pela Rússia, em 8 de junho.

    Crédito: Alexander Ermochenko/Reuters

  • 6 de 20

    Imagens de drone obtidas pelo The Wall Street Journal mostram soldado russo se rendendo a um drone ucraniano no campo de batalha de Bakhmut em maio.

    Crédito: The Wall Street Journal

  • 7 de 20

    Vista aérea da cidade ucraniana de Bakhmut

    Crédito: Vista área da cidade ucraniana de Bakhmut em imagem de vídeo15/06/202393rd Kholodnyi Yar Brigade/Divulgação via REUTERS

  • 8 de 20

    Socorristas trabalham em casa atingida por míssil, em Kramatorsk, Ucrânia

    Crédito: 14/06/2023Serviço de Imprensa do Serviço Estatal de Emergência da Ucrânia/Handout via REUTERS

  • 9 de 20

    A cidade de Velyka Novosilka, na linha de frente, carrega as cicatrizes de um ano e meio de bombardeios.

    Crédito: Vasco Cotovio/CNN

  • 10 de 20

    Crateras e foguetes não detonados são uma visão comum na cidade de Velyka Novosilka, que foi atacada pelas forças russas.

    Crédito: Vasco Cotovio/CNN

  • 11 de 20

    Policial ucraniano dentro de cratera perto do edifício danificado por drone russo.

    Crédito: Reprodução/Reuters

  • 12 de 20

    Rescaldo de um ataque de míssil russo na região de Zhytomyr

    Crédito: Bombeiros trabalham em área residencial após ataque de míssil russo na cidade de Zviahel, Ucrânia09/06/2023. Press service of the State Emergency Service of Ukraine in Zhytomyr region/Handout via REUTERS

  • 13 de 20

    Danos à barragem de Nova Kakhovka, no sul da Ucrânia, são vistos em uma captura de tela de um vídeo de mídia social.

    Crédito: Telegram/@DDGeopolitics

  • 14 de 20

    Vista da ponte destruída sobre o rio Donets

    Crédito: Lev Radin/Pacific Press/LightRocket via Getty Images

  • 15 de 20

    Ataque com míssil mata criança de 2 anos e deixa 22 pessoas feridas na Ucrânia, diz governo

    Crédito: Ministério da Defesa da Ucrânia/Divulgação/Twitter

  • 16 de 20

    Foto tirada por ucraniana após ataques com drones russos contra Kiev. Drones foram abatidos, mas destroços provocaram estragos.

    Crédito: Andre Luis Alves/Anadolu Agency via Getty Images

  • 17 de 20

    Morador local de pé em frente a prédio residencial fortemente danificado durante o conflito Rússia-Ucrânia, no assentamento de Toshkivka, região de Luhansk, Ucrânia controlada pela Rússia

    Crédito: 24/03/2023REUTERS/Alexander Ermochenko

  • 18 de 20

    Soldados ucranianos disparam artilharia na linha de frente de Donetsk em 24 de abril de 2023.

    Crédito: Muhammed Enes Yildirim/Agência Anadolu/Getty Images

  • 19 de 20

    Ataque de mísseis russos atingem prédio residencial em Uman, na região central da Ucrânia

    Crédito: Reuters

  • 20 de 20

    Vista aérea da cidade ucraniana de Bakhmut capturada via drone

    Crédito: 15/04/2023 Adam Tactic Group/Divulgação via REUTERS

Eles encontraram uma forma de gerar pessoal para substituição e unidades adicionais, e a Rússia colocou a sua economia em condições de guerra total, e é aqui que a realidade entra em cena, já que a Rússia tem mais de três vezes a população da Ucrânia e uma economia que é mais de 10 vezes o tamanho da Ucrânia.

Se o apoio dos EUA estiver próximo, penso que veremos a Ucrânia capaz de, no mínimo, sustentar a sua posição atual, talvez até fazer mais progressos no único campo onde houve conquistas ucranianas muito impressionantes – e isso é no oeste do Mar Negro.

Aí, através da utilização de mísseis antinavio, alguns produzidos na Ucrânia, outros fornecidos à Ucrânia, e depois da utilização de drones marítimos desenvolvidos pela Ucrânia, a frota russa do Mar Negro sofreu cerca de 30% de perdas. Foi em grande parte empurrada para fora do oeste do Mar Negro e teve que retirar a maior parte da sua frota do porto crítico de Sebastopol, na Crimeia ocupada, um porto que utiliza há alguns séculos.

E essa é uma conquista crítica porque permite à Ucrânia exportar os seus cereais através do oeste do Mar Negro para países que são muito dependentes deles no norte da África, incluindo particularmente o Egito.

BERGEN: Na semana passada, o Pentágono deu informações aos repórteres, e eles deram o que considerei uma estimativa bastante surpreendente do número de forças russas mortas ou feridas: 315 mil. O que você acha disso?

PETRAEUS: Essas são perdas surpreendentes. E, no entanto, há uma aparente falta de preocupação no Kremlin porque parece ser capaz de continuar a recrutar através da utilização de bônus de alistamento substanciais nas zonas rurais. Tenham em mente, claro, que Putin está protegendo a elite em Moscou e São Petersburgo; o fardo não recai sobre eles. Está caindo sobre esses jovens nas áreas muito mais rurais.

Putin está certamente em uma posição muito melhor do que estava, digamos, há um ano, e isso é obviamente preocupante. Mas se os EUA conseguirem aprovar esse pacote de US$ 60 bilhões e a Ucrânia tomar decisões fundamentais sobre como aumentar a sua geração de força – e isso é uma questão crítica – e puder continuar a fazer progressos com o desenvolvimento de drones marítimos e aéreos, a Ucrânia pode não só manter a sua posição mas, em certos casos, fazer progressos. Mas são muitas suposições.

Cemitério na vila de Lozuvatka, na região de Dnipropetrovsk, Ucrânia / 22/01/2024 REUTERS/Alina Smutko

BERGEN: O presidente ucraniano Zelensky demitiu recentemente o chefe do exército. Você acha que isso vai fazer diferença?

PETRAEUS: Não creio que isso altere as questões fundamentais que são os fatores mais significativos que determinarão o caminho a seguir para a Ucrânia.

Em particular, a Ucrânia tem que lidar com a forma de gerar forças de substituição e tem que fazer uma escolha muito difícil. O parlamento ucraniano tem que tomar algumas decisões fundamentais sobre as idades de recrutamento, observando que a idade média de um soldado ucraniano na linha da frente não é a dos 18 aos 23 anos que tive o privilégio de liderar no Iraque e no Afeganistão. São mais de 40 anos.

Isso é resultado de suas políticas de recrutamento e eles terão que mudar isso. (De acordo com a lei ucraniana, homens com idades entre 18 e 26 anos não podem ser convocados, embora possam se voluntariar). Está muito claro que se trata de um assunto emocional, compreensivelmente, e será difícil, mas é necessário.

BERGEN: Se a Ucrânia perder a guerra, o que vem a seguir? Será que Putin se sentiria capacitado para atacar um país da Otan, ou será que as perdas da Rússia nessa guerra degradaram a sua capacidade de invadir outro país?

PETRAEUS: Não há dúvida de que Putin não se limitaria à Ucrânia. A questão é: quanto tempo levaria para ele regenerar as forças para empregá-las em outro lugar? Certamente, a Moldávia estaria na mira. Afinal, ainda existem cerca de 1.500 soldados russos no terreno naquele pedaço de terra, a Transnístria, na Moldávia.

A sua atenção também poderia deslocar-se para os estados bálticos, cuja existência ele também se ressente. Os seus objetivos sempre foram remontar o máximo possível da União Soviética ou talvez do império russo, com ele no comando como czar.

Presidente russo Vladimir Putin em Kazan / 22/2/2024 Sputnik/Alexander Kazakov/Pool via REUTERS

BERGEN: O que está acontecendo na Ucrânia se parece muito com a Primeira Guerra Mundial, no sentido de que se trata de guerra de trincheiras, campos minados, metralhadoras. Obviamente, existem novas técnicas, como enxames de drones armados. Como é essa guerra para você?

PETRAEUS: Há aqui elementos da Primeira Guerra Mundial – as trincheiras; os cinturões de fortificações defensivas; arame farpado; campos minados muito, muito profundos; enormes quantidades de artilharia, especialmente do lado russo. Você também tem os tanques e veículos de combate de infantaria da era da Guerra Fria, que é em grande parte o que você vê nesse campo de batalha.

E além de tudo isso, você tem alguns drones bastante avançados. Alguns são drones “suicidas”. Você também tem mísseis de precisão no ar e no mar e drones marítimos. A guerra eletrônica também é muito mais significativa. Existem atividades no ciberespaço.

Existe até envolvimento de capacidades no espaço sideral que permitem comando, controle e comunicações, sendo as comunicações por satélite Starlink, é claro, uma delas. E temos o advento da enorme transparência que advém da presença onipresente dos smartphones, do acesso à internet e das plataformas de redes sociais.

Portanto, é verdadeiramente diferente de qualquer contexto anterior de guerra e nos dá dicas sobre o futuro da guerra que Andrew Roberts e eu descrevemos no nosso livro “Conflito”.

BERGEN: A administração Biden e o Congresso já enviaram cerca de US$ 75 bilhões em ajuda à Ucrânia. Por que deveriam os americanos gastar mais no financiamento dos ucranianos?

PETRAEUS: Porque é do nosso interesse fundamental de segurança nacional. É no interesse da nossa prosperidade e da ordem internacional baseada em regras que nós e os nossos aliados e parceiros estabelecemos na sequência da Segunda Guerra Mundial, a qual, apesar de todas as suas imperfeições, geralmente promoveu os nossos interesses e os dos nossos aliados e parceiros.

Soldados ucranianos em trincheiras / 07/12/2023 REUTERS/Kuba Stezycki

Outros países – a Rússia e os seus vários confederados em todo o mundo – estão tentando tornar o mundo seguro para a autocracia, e não seguro para a democracia, e os nossos interesses e os dos nossos aliados da Otan e do mundo livre são agora defendidos na fronteira entre a Ucrânia e a Rússia.

Isso não é caridade. O que fazemos em todo o mundo não é fruto da bondade do nosso coração. É um cálculo frio

General David Petraeus

É do nosso interesse nacional fazer isso e, se não o fizermos, as condições no mundo mudarão de uma forma que não será positiva nem para a nossa segurança nacional nem para a nossa prosperidade nacional.

BERGEN: Aceita ao pé da letra as ameaças do ex-presidente Donald Trump de retirar os EUA da Otan, e o que isso faria à aliança?

PETRAEUS: Os Estados Unidos são, no final das contas, a pedra angular das capacidades da Otan. Embora o secretário-geral da Otan informe que esse ano 18 dos 31 países atingirão os 2% dos gastos do PIB em defesa que foram acordados há cerca de uma década, ainda assim, os militares dos EUA são a peça fundamental para qualquer operação da Otan e para a dissuasão de supostos agressores.

Assim, a Otan, em muitos aspectos, depende de decisões tomadas no Salão Oval, e essas declarações recentes foram uma fonte de preocupação na Conferência de Segurança de Munique.

Todos os americanos que lá estavam foram questionados em vários momentos sobre isso, e o carácter fundamental da Otan e da dissuasão da aliança seria obviamente prejudicado enormemente se os EUA não continuassem a desempenhar o papel que desempenham, liderados por presidentes de qualquer um dos partidos, desde a fundação da Otan, há muitas décadas, no rescaldo da Segunda Guerra Mundial.

BERGEN: O que você acha dos relatos de que a Rússia está desenvolvendo algum tipo de arma antisatélite, possivelmente com algum componente nuclear? Isso não seria muito perigoso para todos os países, incluindo potencialmente os russos, uma vez que são tão dependentes de sistemas de satélite como qualquer outro país.

PETRAEUS: Seria. Devemos observar aqui que não sabemos se o elemento nuclear aqui é para energia nuclear, como alguns de nossos satélites o fizeram, ou se é uma arma nuclear real – seja um satélite movido a energia nuclear com algum tipo de arma de pulso eletromagnético – ou se realmente carrega um dispositivo nuclear que poderia ser usado como antisatélite.

O verdadeiro desafio aqui é que isso é enormemente desestabilizador, porque as dezenas de minutos que os EUA têm nesse momento para alertar sobre algum tipo de ataque nuclear significativo seriam reduzidas drasticamente se os meios de inteligência, vigilância e reconhecimento que temos, muitos dos quais no espaço, ficarem cegos e as decisões tiverem que ser tomadas imediatamente. A “dissuasão da crise” seria então dramaticamente prejudicada.

Então, é muito perigoso, é muito imprudente e também é muito provocativo.

*Nota do Editor: Peter Bergen é analista de segurança nacional da CNN, vice-presidente da New America, professor na Arizona State University e apresentador do podcast “In the Room”, no Audible, Apple e Spotify. Ele é o autor de “O Custo do Caos: A Administração Trump e o Mundo”. As opiniões expressas nesse artigo são dele. Leia mais opinião na CNN.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

Nossa Casa TV © Todos direitos reservados