Home » Análise: visitas de Biden e Trump à fronteira com México resumem conflito eleitoral crescente | CNN Brasil

Análise: visitas de Biden e Trump à fronteira com México resumem conflito eleitoral crescente | CNN Brasil

por karolineporto
0 Comente
analise:-visitas-de-biden-e-trump-a-fronteira-com-mexico-resumem-conflito-eleitoral-crescente-|-cnn-brasil

Dois presidentes visitam a fronteira sul dos Estados Unidos nesta quinta-feira (29), destacando a centralidade do aumento imigratório para as eleições de novembro, em um espetáculo que explicará porque é que a política polarizada americana não conseguiu durante décadas consertar um sistema de imigração falido.

Joe Biden e seu antecessor e possível sucessor, Donald Trump, percorrerão diferentes setores da fronteira no Texas enquanto expõem argumentos conflitantes sobre o que todos agora concordam ser uma crise.

Eles já estão brigando por causa de seus registros de imigração no primeiro mandato, e suas visitas marcarão a manifestação mais visível e intensa da provável revanche.

O ex-presidente estará em Eagle Pass, cenário de um confronto na fronteira entre o governo Biden e o governador republicano do Texas, Greg Abbott.

A sua visita mostrará o seu retrato sombrio de uma nação sitiada por uma torrente do que ele afirma serem criminosos imigrantes e invasores. É uma narrativa que ele espera que o leve à presidência, tal como fez em 2016.

Trump está prometendo deportações em massa e campos de detenção se reconquistar a Casa Branca e está desencadeando algumas das retóricas anti-imigrantes mais extremas da história americana moderna.

A aparente desumanidade é o ponto principal quando ele promete uma presidência de autoritarismo e retribuição, e canaliza a raiva dos seus eleitores de base.

Biden, que esteve na defensiva na fronteira durante grande parte do seu mandato, visitará Brownsville após adotar uma retórica e políticas mais duras.

O presidente espera virar o jogo contra os republicanos, incluindo Trump, que derrubou um projeto de lei bipartidário do Senado repleto de muitos objetivos conservadores, aparentemente para privá-lo de uma vitória em ano eleitoral.

Membro da Guarda Nacional do Texas trabalha em cerca de arame farpado perto de muro na fronteira entre Estados Unidos e México / 18/9/2023 REUTERS/Jose Luis Gonzalez/Arquivo

A primeira visita de Biden à fronteira em 13 meses acontece após discussões tensas em seu círculo íntimo, à medida que a crise da imigração se transformava em uma responsabilidade política depois de meses em que a Casa Branca tentou mantê-la em segundo plano, disseram fontes à CNN.

Seus assessores acreditam que o descarrilamento do projeto de lei de imigração dá a Biden uma oportunidade para atacar o Partido Republicano.

Mas a encenação de quinta-feira também mostrará como a política traiçoeira da fronteira se presta a acrobacias e sessões fotográficas que apenas engrossam a sopa partidária que destruiu sucessivos esforços bipartidários para reformar um sistema de asilo e de fiscalização fronteiriça sobrecarregado desde a administração Reagan.

As visitas fronteiriças rivais de Trump e Biden quase certamente farão pouco para combater o fluxo de pessoas desesperadas que fogem da privação econômica, dos desastres ambientais, da violência das drogas e das gangues e da perseguição política, que está confrontando os países desenvolvidos em todo o mundo e que quase certamente piorará nos próximos anos.

O fracasso das democracias enfraquecidas e hiperpolarizadas no combate à imigração está, ironicamente, criando as condições para que demagogos como Trump e os populistas europeus explorem a questão de uma forma que enfraqueça ainda mais essas democracias.

A aposta de Biden

A campanha de Biden corre o risco de mostrar o presidente na fronteira – o símbolo de uma das suas vulnerabilidades políticas mais flagrantes.

Migrantes em busca de asilo nos Estados Unidos se reúnem às margens do Rio Bravo, em Ciudad Juarez, no México 05/12/2023
Migrantes em busca de asilo nos Estados Unidos se reúnem às margens do Rio Bravo, em Ciudad Juarez, no México 05/12/2023 / REUTERS/Jose Luis Gonzalez

Embora a viagem já estivesse em andamento antes dessa semana, ela ocorre logo após a disputa pela indicação em Michigan na noite de terça-feira (27), quando a força do voto “descomprometido” nas primárias democratas expôs parte da fragilidade da base de Biden, com os principais eleitores árabes-americanos e progressistas chateados com a forma como ele lidou com a guerra de Israel em Gaza.

No entanto, a visita de Biden à fronteira é um passo que simboliza uma estratégia de campanha mais agressiva, concebida para reparar as fraquezas da sua coligação eleitoral que o levaram a cortejar os negros americanos e os trabalhadores sindicalizados e a confrontar agressivamente Trump nas últimas semanas.

A ofensiva culminará no discurso anual do presidente sobre o Estado da União, na próxima semana – um pilar simbólico crítico da sua candidatura à reeleição perante uma enorme audiência televisiva – onde se espera que ele repreenda os legisladores do Partido Republicano por não terem agido para acabar com a crise fronteiriça e tentar para aliviar um pouco de sua vulnerabilidade sobre o assunto.

A sua ousadia parece ter irritado Trump, que está habituado ao monopólio do jogo político sobre a imigração. “Ele passou três anos sem ir para a fronteira”, disse Trump na terça-feira.

“Então, agora ele está indo porque eu estou indo”, disse Trump, criticando o presidente como um “perseguidor”. Biden, que parece gostar de cutucar seu rival, disse aos repórteres: “Planejei isso para quinta-feira, o que não sabia é que meu bom amigo aparentemente iria”.

Brincadeiras à parte, o presidente precisa resolver uma fraqueza gritante em relação à imigração.

Uma pesquisa da CNN no início deste mês mostrou que apenas 30% dos americanos aprovam o seu desempenho nessa questão e 79% dos eleitores – incluindo maiorias através das linhas partidárias – dizem que a situação na fronteira representa uma crise.

O presidente dos EUA, Joe Biden, responde a jornalistas durante mesa redonda sobre segurança pública na Casa Branca em Washington, EUA / 28/02/2024 REUTERS/Tom Brenner

É verdade que a mídia e os políticos conservadores passaram anos fazendo uma cobertura exagerada e enganosa sobre invasões de caravanas de imigrantes e fronteiras abertas.

Mas também acontece que os altos níveis de interceptações de pessoas que atravessam a fronteira preocupam profundamente muitos eleitores.

Governadores republicanos como Abbott e o governador da Flórida, Ron DeSantis, parecem ter conseguido nacionalizar a questão, transportando imigrantes indocumentados da fronteira para jurisdições e cidades democráticas.

A questão da imigração é particularmente complicada para o presidente, uma vez que as suas tentativas de adotar posições mais duras – e até de sugerir que poderá fechar a fronteira – correm o risco de alienar ainda mais os progressistas, alguns dos quais já estão indiferentes à sua presidência e cujos votos serão críticos em novembro.

Mas os responsáveis da campanha na Casa Branca e de Biden veem uma oportunidade única para Biden apontar o dedo aos republicanos no que diz respeito à segurança das fronteiras.

Eles estão contando com que muitos eleitores compreendam que um pacote de segurança fronteiriça que poderia ter melhorado a situação na fronteira sul dos EUA estava ao alcance – mas que foi frustrado pelos republicanos que tentavam agradar Trump.

“Trata-se realmente de tentar resolver os problemas e os republicanos não querem fazer isso. Os eleitores americanos verão isso”, disse Cedric Richmond, copresidente da campanha de Biden, à CNN.

“Temos um ex-presidente dizendo: ‘Vamos manter isso como um problema – pode me ajudar a vencer uma eleição’”.

Um funcionário do alto escalão da campanha de Biden disse que se muitos democratas nos últimos anos tentaram evitar falar sobre imigração, há agora uma nova oportunidade de apresentar uma tela totalmente dividida graças à inação dos legisladores republicanos.

“Trump anulando o acordo é uma oportunidade para os democratas e Biden falarem sobre quem realmente irá entregar as soluções”, disse o funcionário.

Migrantes caminham em caravana para chegar à fronteira dos EUA pelo México, em Huixtla / 26/12/2023 REUTERS/Jose Torres

Funcionários da administração Biden argumentam, com alguma justificativa, que a administração Trump deixou o sistema de imigração um desastre.

Tiveram, por exemplo, de passar meses localizando crianças que os funcionários do ex-presidente separaram dos seus pais como parte de uma tentativa draconiana de dissuadir as famílias de cruzarem a fronteira entre os EUA e o México.

Alguns dos comentários de Biden durante a campanha de 2020 foram interpretados, no entanto, como um convite a mais imigrantes indocumentados a procurarem asilo em um sistema já atormentado por anos de atrasos nos casos.

Os republicanos também aproveitaram o seu repúdio à política “Permaneça no México”, que significava que os requerentes de asilo tinham de permanecer do outro lado da fronteira enquanto os seus pedidos eram processados.

A decisão de Biden de desfazer imediatamente várias políticas de imigração de Trump ofereceu uma abertura ao Partido Republicano.

O ponto culminante do ataque republicano à imigração veio com o impeachment do secretário de Segurança Interna, Alejandro Mayorkas, pela Câmara controlada pelo Partido Republicano, embora o controle democrata do Senado signifique que é improvável que ele seja deposto após um julgamento.

Enquanto ele procura neutralizar os ataques republicanos, Biden recebeu uma tábua de salvação – do Partido Republicano.

A recusa da Câmara em permitir a votação do pacote de compromisso fronteiriço do Senado, depois de figuras do partido terem passado anos exigindo mais gastos na aplicação e mudanças na política de asilo, pareceu uma tentativa de Trump de colocar os seus próprios interesses antes dos do país na tentativa de manter a crise viva até a eleição.

Agentes do Instituto Nacional de Migração (INM), do México, realizam operação às margens do Rio Bravo, na fronteira entre México e EUA, em Cidade Juarez / 05/10/2023 REUTERS/Jose Luis Gonzalez

Enquanto isso, o presidente da Câmara, Mike Johnson, ainda está amarrado em nós hipócritas sobre o assunto.

Na terça-feira, na Casa Branca, ele justificou a sua relutância em votar um pacote de ajuda de US$ 60 bilhões para a Ucrânia, dizendo: “Temos de cuidar primeiro das necessidades da América” – apesar de ele ter sido fundamental na sabotagem da medida de imigração mais conservadora dos últimos anos.

Pressão cada vez mais extrema de Trump na imigração

Trump foi o pioneiro na retórica chocante e muitas vezes racista contra os imigrantes no início do lançamento da sua campanha em 2015.

Em retrospectiva, foi nesse momento que ele iniciou a transformação de um partido que reagiu à derrota na Casa Branca em 2012, decidindo ser eleitores minoritários do tribunal.

Enquanto ele procura reconquistar a Casa Branca, apesar da sua saída vergonhosa de Washington, DC, em 2021, depois de tentar roubar uma eleição, e enquanto enfrenta quatro julgamentos criminais, Trump está aumentando ainda mais a pressão contra os imigrantes.

O presidente dos EUA, Donald Trump, fala durante comício para contestar a certificação do resultado das eleições presidenciais dos EUA de 2020 pelo Congresso, em Washington / 06/01/2021 REUTERS/Jim Bourg

“Eles vêm da Ásia, vêm do Oriente Médio, vêm do mundo todo, vêm de África, e não vamos tolerar isso. Eles estão destruindo nosso país”, disse Trump na Conferência de Ação Política Conservadora no fim de semana.

Ele acrescentou: “Eles estão matando nosso povo. Eles estão matando nosso país. Não temos escolha” e queixou-se que “temos línguas chegando ao nosso país, têm línguas das quais ninguém neste país alguma vez ouviu falar. É uma coisa horrível”.

Os comentários do ex-presidente e a sua promessa de lançar a maior operação de deportação da história americana estão entre a pilha crescente de provas que sugerem que o seu potencial segundo mandato provocaria desafios ainda maiores ao Estado de direito e à democracia que o seu turbulento primeiro mandato no Salão Oval.

Enquanto estiver no Texas, Trump deverá encontrar-se com membros da guarda nacional do estado e visitar o Shelby Park ao lado do Rio Grande, onde o Texas tem feito o bloqueio ao acesso através de agentes federais da patrulha de fronteira.

Um assessor de Trump disse que o ex-presidente se apoiaria em “histórias de impacto” recentes, como as do assassinato de Laken Hope Riley, uma estudante de enfermagem da Universidade Augusta, alegadamente cometido por um imigrante sem documentos.

Espera-se também que Trump seja entrevistado por Sean Hannity, da Fox News.

Embora as visitas de quinta-feira possam ter um impacto político tangível antes da provável revanche das eleições gerais, é quase certo que não adiantarão em nada para resolver a crise genuína no sistema de imigração.

E enfrentar a causa profunda da crise imigratória – a destruição da ordem pública, a corrupção e a má governança nos países em desenvolvimento do hemisfério ocidental – exigiria uma grande iniciativa internacional que um consenso político global fragmentado é tão incapaz de resolver como Washington é em resolver a confusão da imigração interna.

*Com informações de Alayna Treene, da CNN.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

Nossa Casa TV © Todos direitos reservados