Home » Após decretos de Lula, registro de armas cai 79% em 2023

Após decretos de Lula, registro de armas cai 79% em 2023

por NCTV
0 Comente

Publicada como a primeira medida do terceiro governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em 1º de janeiro de 2023, a restrição para emissão de novos registros de armas no Brasil surtiu o efeito esperado pelo presidente e aliados.

Foram 28.328 registros em 2023.

Esse número representa uma queda de 79% na comparação com o último ano do governo Bolsonaro, quando o Brasil contabilizou 135.335 novas armas registradas.

A diminuição é ainda maior se comparada com 2021, quando foram 185.497 registros.

 

Perfil não mudou
O perfil de quem registra uma arma, no entanto, pouco mudou.

Pessoas do sexo masculino seguem sendo maioria: 95% em 2022; 93% em 2023.
A idade média também sofreu variação pequena: 41 anos em 2022; 42 anos em 2023.
Os dados são do Sistema Nacional de Armas (Sinarm), da Polícia Federal. Segundo levantamento realizado pela CNN, o mês com maior número de registros foi janeiro: 3.770. Já abril foi o mês com menor quantidade: 514.

Dois decretos
Ao todo, Lula assinou dois decretos relacionados a armas em 2023. Um deles foi o primeiro ato do presidente, logo depois de tomar posse. A decisão diminuiu drasticamente a quantidade de armas que poderiam ser adquiridas.

Cada pessoa passou a ter autorização de comprar três armas para defesa pessoal. Antes, eram permitidas quatro. Também foram suspensas as concessões de novos registros de CACs, clubes e escolas de tiro.

Além disso, quem responde a inquérito policial ou ação penal por crime doloso foi obrigado a entregar sua arma de fogo à Polícia Federal ou ao Exército, ou transferi-la para um terceiro em até 30 dias.

“Acabou o liberou geral de armas de fogo no Brasil. Nós queremos dialogar com todos. Vamos, inclusive, ouvir os armamentistas em audiências públicas, mas o liberou geral não voltará”, declarou o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, em fevereiro.

Em julho, veio o segundo decreto, que trouxe uma ampla restrição na circulação e acesso a armas no país, além de repassar do Exército para a Polícia Federal a fiscalização do armamento e munição dos artefatos.

Para caçadores, por exemplo, o limite de 30 armas caiu para seis e com necessidade de autorização do Ibama. Para atiradores, caiu de 60 armas o limite para oito, 12 e 20, a depender do nível. E para colecionadores, mudou de cinco armas de cada modelo para apenas uma.

 

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

Nossa Casa TV © Todos direitos reservados