Home » “Economizaram a vida toda“, diz americana que perdeu os pais em peregrinação para Meca | CNN Brasil

“Economizaram a vida toda“, diz americana que perdeu os pais em peregrinação para Meca | CNN Brasil

por joaonakamura
0 Comente
“economizaram-a-vida-toda“,-diz-americana-que-perdeu-os-pais-em-peregrinacao-para-meca-|-cnn-brasil

Saida Wurie disse que era o sonho da vida de seus pais participar do Hajj, a peregrinação religiosa que traz muçulmanos de todo o mundo à Arábia Saudita todos os anos.

Eles gastaram US$ 23 mil (R$ 124.938,30) em um pacote de viagem com tudo incluso por uma empresa de turismo registrada no estado de Maryland.

“Eles economizaram a vida inteira para isso”, disse ela à CNN Internacional.

Mas o que deveria ser a viagem de uma vida tornou-se trágico esta semana, quando Wurie soube que sua mãe Isatu Tejan Wurie, 65, e seu pai Alieu Dausy Wurie, 71, estavam entre os milhares de peregrinos que morreram por conta das temperaturas extremas que dominam o país do Golfo Pérsico.

O casal durante a peregrinação à Meca
O casal durante a viagem à Arábia Saudita / Reprodução: CNN Internacional

De acordo com o governo da Arábia Saudita, mais de 1.300 pessoas haviam morrido até este domingo (23) durante a peregrinação do Hajj deste ano – com “inúmeros casos” devido ao estresse por calor e viagens “não autorizadas”, respondendo por mais de quatro em cada cinco das fatalidades.

Os Wurie eram cidadãos norte-americanos de Bowie, Maryland. A mãe havia se aposentado recentemente como enfermeira-chefe da Kaiser Permanente, no condado de Prince George, disse sua filha à CNN.

Falando à CNN no sábado (22), Wurie disse que manteve contato próximo com seus pais enquanto eles estavam na Arábia Saudita por meio de um bate-papo em grupo familiar.

Foi nessa conversa, disse ela, que soube que a empresa turística não forneceu o transporte adequado ou as credenciais necessárias para participar da peregrinação.

O grupo com o qual seus pais viajavam, que incluía cerca de 100 companheiros de peregrinação, não tinha alimentos e suprimentos suficientes para a viagem de cinco a seis dias que é um pilar do Islã, disse ela.

Saida acredita que seus pais não foram “devidamente preparados” para a viagem pela operadora turística e “não receberam o que pagaram” da empresa. A CNN Internacional entrou em contato com a empresa de turismo para comentar.

Ela teve notícias de seus pais pela última vez no dia 15 de junho, quando sua mãe enviou uma mensagem dizendo que eles já estavam esperando há horas por transporte para levá-los ao Monte Arafat. Ela acredita que eles estavam localizados em Mina na época.

Peregrino muçulmano derrama água na cabeça para se refrescar enquanto participa da peregrinação anual do Haj em Mina, na Arábia Saudita / 17/06/2024 – REUTERS/Mohammed Torokman

O casal optou por caminhar e enviou uma mensagem para a filha depois de andarem por mais de duas horas.

Os Wurie então se juntaram a outros peregrinos e outras pessoas em seu grupo de turismo no Monte Arafat, onde se reuniram para orar e refletir sobre o local sagrado.

Um homem do grupo de turismo contatou Saida Wurie para dizer que o casal havia desaparecido no Monte Arafat, depois que seu pai disse que não poderia continuar a viagem e parou para fazer uma pausa no caminho. O homem continuou até o topo do Monte Arafat, mas não conseguiu encontrá-los ao descer.

Saida recebeu notificações de morte do Consulado dos Estados Unidos em Jeddah, que as obteve do Ministério do Interior saudita, dizendo que seus pais haviam morrido de “causas naturais” em 15 de junho.

O Gabinete do Consulado Geral informou Saida que os seus pais já tinham sido enterrados, mas não lhe disseram exatamente onde.

Agora, ela e seus irmãos estão fazendo tudo o que podem para obter respostas e encontrar o local do enterro de seus pais.

“Pedimos ao governo saudita que guardasse os corpos para que viajássemos à Arábia Saudita, dar-lhes um enterro adequado com a presença de [seus] filhos e para podermos identificar os corpos”, disse ela à CNN. “Infelizmente, eles já foram enterrados.”

⁠Ela gostaria que diplomatas norte-americanos encontrassem ela e seus irmãos no local quando eles chegassem para ajudá-los a descobrir onde seus pais estão enterrados e a recolher seus pertences, já que ela não sabe árabe e não está familiarizada com a área.

Até sábado, os diplomatas não se comprometeram a encontrá-los pessoalmente na Arábia Saudita, disse ela.

O Departamento de Estado dos EUA confirmou que houve “mortes de vários cidadãos norte-americanos na Arábia Saudita”, mas recusou-se a comentar quaisquer detalhes sobre a família Wurie.

O calor extremo foi apontado como o principal fator por trás das centenas de mortes e feridos relatados este ano durante o Hajj. Meca, a cidade sagrada central para os peregrinos do Hajj, viu as temperaturas subirem para um recorde de 51,6 ºC na segunda-feira (17).

Altas temperaturas para a reunião deste ano eram esperadas, com o exército saudita destacando mais de 1.600 pessoas com unidades médicas e 30 equipes de resposta rápida especificamente para insolação. Outros 5 mil voluntários de saúde e primeiros socorros também estavam de plantão.

A ameaça da mudança climática paira sobre a peregrinação do Hajj enquanto centenas morrem no calor / REUTERS / WILAYAT MUSTAFA

Mas a CNN conversou com outros peregrinos do Hajj que disseram que os preparativos não foram suficientes, com um deles descrevendo ter visto companheiros de adoração perderem a consciência e passarem por corpos cobertos por panos brancos.

O número exato de mortos permanece incerto e espera-se que aumente, à medida que países de todo o mundo têm anunciado de forma independente as mortes dos seus cidadãos.

A preocupação com grupos turísticos impróprios também cresceu. O Egito anunciou que estava revogando as licenças de 16 agências de viagens que organizam as peregrinações de Hajj no sábado, de acordo com a agência de notícias estatal Ahram Online.

Esta não é a primeira vez que centenas de peregrinos morrem enquanto viajavam para o Hajj, que este ano atraiu mais de 1,8 milhões de pessoas.

Em 2015, mais de 700 pessoas foram mortas durante uma debandada na cidade de Mina, na Arábia Saudita, nos arredores de Meca.

Em 2006, 363 pessoas foram mortas durante uma debandada no local, onde os peregrinos se reuniam para participar no ritual de “apedrejamento do diabo” em Mina. No ano passado, mais de 200 pessoas morreram.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

Nossa Casa TV © Todos direitos reservados