Home » Eleições americanas: veja sete pontos para ficar atento nesta Superterça | CNN Brasil

Eleições americanas: veja sete pontos para ficar atento nesta Superterça | CNN Brasil

por karolineporto
0 Comente
eleicoes-americanas:-veja-sete-pontos-para-ficar-atento-nesta-superterca-|-cnn-brasil

O início do fim das primárias presidenciais de 2024 começa nesta terça-feira (5), quando se espera que o presidente Joe Biden e o ex-presidente Donald Trump encaminhem uma revanche da disputa de 2020, oito meses antes das eleições gerais de novembro.

Os eleitores vão às urnas em 15 estados e um território americano na Superterça deste ano, em todos os fusos horários dos EUA, do Alasca e Califórnia ao Colorado, Minnesota e Carolina do Norte.

Quando terminar, espera-se que Biden e Trump tenham acumulado um grande número de delegados e que haja confrontos por assentos críticos no Congresso e poderosas residências oficiais de governadores.

As primárias também oferecerão informações adicionais sobre os pontos fortes e fracos dos principais candidatos, à medida que as campanhas testam as posições deles com elementos-chave do eleitorado em um país que parece tão dividido como nunca.

Dentro dos partidos, batalhas ideológicas de longa data decorrerão em primárias tipicamente com baixa participação e votos negativos.

Para a ex-governadora da Carolina do Sul, Nikki Haley, o último obstáculo restante de Trump para sua terceira indicação presidencial republicana, esta terça-feira marca o que é provavelmente sua última oportunidade de virar a corrida e desacelerar Trump.

Na chapa, a corrida para ocupar a vaga no Senado da Califórnia, mantida durante décadas pela falecida Dianne Feinstein, será reduzida a um último par de candidatos, enquanto um distrito recém-formado no Alabama, mais amigável aos democratas (por ordem judicial), deverá escolher o seu novo representante.

E na Carolina do Norte, a corrida para governador mais acirrada do ano irá garantir formalmente os candidatos de ambos os partidos.

Aqui estão sete coisas a serem observadas:

1 – A noite em que as luzes se apagam para Haley

Salvo uma surpresa impressionante – na verdade, várias surpresas impressionantes em todo o país – a Superterça parece o fim do caminho para Haley.

Então, o que vem a seguir?

Embora Haley tenha dito que permaneceria na corrida pelo menos até a Superterça, ela não sugeriu uma saída. Os candidatos raramente o fazem.

Mas se ela for varrida por Trump, a razão declarada para a sua campanha – ser “competitiva” – irá praticamente desaparecer.

Espera-se que o ex-presidente conquiste matematicamente a nomeação, com 1.215 ou mais delegados, até o final do mês. O destino eleitoral de Haley, porém, já está selado há algum tempo.

Nas últimas semanas, ela usou sua plataforma principalmente para alertar o Partido Republicano sobre a elegibilidade de Trump e fazer muitas das mesmas críticas ao seu comportamento que os republicanos que não gostam de Trump, como a ex-deputada do Wyoming, Liz Cheney, fizeram quando suas carreiras políticas terminaram – ao menos por enquanto.

A grande decisão de Haley, seja na noite de terça-feira, na manhã de quarta-feira ou em mais algumas semanas, será como ela enquadrará sua derrota – e como ela se dirigirá ao vencedor.

Parece improvável, especialmente levando em conta alguns os seus comentários mais recentes, que ela apoie Trump de todo o coração.

Nikki Haley, a última oponente remanescente de Donald Trump pela indicação presidencial republicana, faz campanha na Carolina do Sul / 02/02/2024 REUTERS/Shannon Stapleton

No final, a sua reação à derrota poderá ser tão importante, pelo menos para a sua própria carreira política, como a campanha que vem realizando há mais de um ano.

2 – Existem mais sinais de fraqueza para Biden?

Michigan foi fundamental para a eleição de Biden em 2020. E será tão importante, se não mais, esse ano.

Por isso, quando ele se deparou com um voto de protesto significativo sobre o seu papel na guerra de Israel em Gaza, valeu a pena tomar nota – e avaliar, à medida que os combates continuam, apesar dos indícios de um cessar-fogo iminente.

Nesta terça-feira, Minnesota – outro estado que abriga uma grande população de muçulmanos americanos – pode ganhar manchetes semelhantes se um número suficiente de democratas votar “descomprometido” (em nenhum dos candidatos).

O voto de protesto lá não teve tanta tração nem a mesma organização que a de Michigan, mas ainda poderia servir de outro aviso ao presidente em uma região onde ele não pode se dar ao luxo de deixar votos na mesa ou permitir uma abertura para um candidato de terceiro partido ganhar impulso.

Em outros lugares, a participação será o barômetro mais utilizado para o sucesso de Biden.

Dado que ele não tem concorrência real nas primárias, o número de democratas que se levantam e votam nele de qualquer maneira poderia pelo menos retardar uma narrativa de desilusão intrapartidária.

Talvez seja útil nesse sentido o forte desempenho de Trump na disputa do Partido Republicano. Independentemente do que as bases democratas pensem hoje sobre Biden, o espectro do retorno de Trump à Casa Branca sempre foi e será fundamental para a força do presidente.

Ativista Natalia Latif faz campanha pelo voto descomprometido na primária democrata em Michigan / 27/02/2024 REUTERS/Rebecca Cook

3 – Algum outro sinal de fraqueza para Trump?

A base de Trump está praticamente imutável. Mas se 2020 servir de indicação, não será suficiente para que ele ganhe as eleições.

Em vez disso, o ex-presidente terá que fazer incursões pelo menos modestas junto aos eleitores suburbanos com formação universitária.

Esse grupo foi um problema para ele há quatro anos e nas eleições de meio de mandato de 2018 e 2022, quando, primeiro no cargo e depois fora, rejeitou categoricamente os republicanos do MAGA (Make America Great Again).

Mesmo quando Trump apareceu na Carolina do Sul no mês passado, o seu número nos subúrbios ficou muito atrás nas áreas rurais e cidades menores.

Virgínia e Carolina do Norte estão programadas para terça-feira e cada uma fornecerá novos dados para os republicanos que apoiam Trump, que ficarão de olho nos números provenientes das populações suburbanas influentes e crescentes de cada estado.

Trump perdeu na Virgínia duas vezes, em 2016 e 2020, mas venceu na Carolina do Norte nas duas vezes em que esteve nas urnas.

Há quatro anos, porém, a sua margem de vitória sobre Biden era inferior a 1,5%. Barack Obama, em 2008, foi o único candidato presidencial democrata a liderar o estado em quase meio século.

Os índices de aprovação de Biden no estado não são bons, mas a proibição do aborto pelos republicanos da Carolina do Norte – ignorada a objeção do governador democrata – foi menos popular e só foi possível graças a um legislador vira-casaca que se juntou ao Partido Republicano.

4 – Uma corrida para governador da Carolina do Norte com implicações nas urnas e fora delas

Em uma Superterça com uma falta incomum de tempero, as primárias para governador da Carolina do Norte são uma rara exceção.

Não porque se espera que a disputa de qualquer um dos partidos seja acirrada – espera-se que o vice-governador republicano Mark Robinson e o procurador-geral democrata Josh Stein cheguem às respectivas nomeações de seus partidos.

Eleitores da Geórgia votam em eleições legislativas de meio de mandato nos EUA / 08/11/2022 REUTERS/Cheney Orr

Mas Robinson é uma estrela do MAGA [Make America Great Again], um político como Trump, que pode dizer qualquer coisa a qualquer momento.

Isso vale para ambos os lados, é claro, já que o repertório de Robinson inclui numerosos exemplos de retórica preconceituosa e odiosa.

Por outro lado, Stein aposta que o seu compromisso com os direitos civis e ao aborto, juntamente com a sua disposição mais imparcial, o ajudará a manter a residência do governador nas mãos dos democratas. (O governador Roy Cooper, também democrata, tem mandato limitado depois ter ganho o cargo duas vezes).

Robinson é o tipo de figura extremamente divisiva – ele chamou a comunidade LGBT de “sujeira” e se envolveu na negação do Holocausto – que, se a sua campanha correr mal, poderá arrastar outros candidatos republicanos consigo.

Os democratas, de Biden a Stein e em diante, vão garantir que os eleitores conheçam o seu histórico – e fazê-lo responder por isso.

5 – Democratas do Texas escolhem um concorrente

Seis anos após a quase derrota do então deputado Beto O’Rourke para o senador republicano Ted Cruz, os democratas continuam sem vitórias nas disputas estaduais do Texas desde 1994.

O deputado americano Colin Allred é o favorito para desafiar Cruz. Mas ele enfrenta oito rivais, incluindo o senador estadual Roland Gutierrez – um legislador de San Antonio cujo distrito inclui Uvalde, e que fez das restrições às armas um foco de sua campanha – nas primárias de terça-feira.

Se Allred obtiver mais de 50% dos votos, avançará para as eleições gerais contra Cruz. Mas se ele não atingir essa marca, enfrentará o segundo colocado nas primárias no segundo turno de maio.

Fila de eleitores para votação antecipada em Houston, no Texas, Estados Unidos
Fila de eleitores para votação antecipada em Houston, no Texas, Estados Unidos / Foto: Go Nakamura/Reuters (13.out.2020)

O Texas, junto com a Flórida, pode representar a melhor chance dos democratas de atacarem no mapa do Senado de 2024, já que o partido defende uma série de cadeiras em estados que Trump provavelmente vencerá na corrida presidencial – incluindo Montana, Ohio e Virgínia Ocidental, bem como campos de batalha presidenciais no Arizona, Michigan, Nevada, Pensilvânia e Wisconsin.

Allred, um ex-jogador da NFL que conquistou sua cadeira na Câmara ao destituir um titular republicano em uma disputa difícil em 2018, concentrou-se nos cuidados de saúde – incluindo seu apoio ao Affordable Care Act e aos direitos ao aborto.

Ele também é um arrecadador de fundos prolífico, superando Cruz, com US$ 4,8 milhões contra US$ 3,4 milhões no quarto trimestre de 2023 e terminando o ano com US$ 10 milhões no banco contra US$ 6,2 milhões de Cruz.

6 – Corridas na Câmara da Califórnia são fundamentais para a batalha pela maioria

Os democratas têm como meta sete assentos na Câmara ocupados pelos republicanos na Califórnia – transformando o estado no marco zero na tentativa do partido de obter um ganho líquido de pelo menos quatro assentos em novembro, o que os reconquistaria a maioria.

O resultado de algumas primárias de terça-feira – disputas em que todos os candidatos aparecem na mesma cédula e os dois mais votados avançam para novembro – moldará essas disputas no outono.

Embora os principais grupos de interesse tenham dividido o seu apoio em diversas disputas competitivas, o mais importante a observar é se alguma das partes fica de fora de uma disputa importante.

Entre as cadeiras ocupadas pelos republicanos a serem observadas de perto: O 22º Distrito, onde o deputado David Valadão enfrenta dois democratas e um republicano em sua tentativa de manter sua sempre competitiva cadeira no Vale Central; o 45º Distrito, controlado pela deputada Michelle Steel; o 40º Distrito, representado pelo deputado Young Kim; e 41º Distrito do deputado Ken Calvert.

Cidadão americano se registra para votar em San Diego, no estado da Califórnia
Cidadão americano se registra para votar em San Diego, no estado da Califórnia / Foto: Bing Guan/Reuters (3.mar.2020)

E entre as cadeiras ocupadas pelos democratas a serem observadas: o 47º Distrito, onde a candidatura da deputada Katie Porter ao Senado deixou uma vaga em Orange County que o ex-deputado estadual republicano Scott Baugh espera preencher; 9º Distrito do deputado Josh Harder; e 49º Distrito do deputado Mike Levin.

7 – Medidas eleitorais de justiça criminal a serem observadas

Em São Francisco – os conservadores da cidade frequentemente citam como exemplo de crimes desenfreados contra a propriedade e uso de drogas – o prefeito London Breed está apoiando uma medida que permitiria ao departamento de polícia instalar câmeras de vigilância que usam tecnologia de reconhecimento facial, permitiria à polícia perseguir os suspeitos de cometer crimes ou contravenções e usar drones para perseguições de carros.

Eleitores votam em Flint, Michigan, nos Estados Unidos
Eleitores votam em eleições gerais nos Estados Unidos em 2020 / Foto: Shannon Stapleton/Reuters (3.nov.2020)

Outra medida estabeleceria níveis mínimos de pessoal para o departamento de polícia, uma medida que o Conselho de Supervisores da cidade argumenta que ajudaria a reprimir o crime, mas que exigiria um aumento de impostos para financiar.

As medidas são um teste para saber se, depois de anos de pressão progressiva por políticas de justiça criminal mais liberais, os eleitores procuram agora uma repressão mais agressiva ao crime.

Em Los Angeles, o procurador distrital George Gascon, que já sobreviveu a duas tentativas de reeleição, enfrenta 11 adversários, muitos dos quais o criticam por considerá-lo muito progressista devido à sua recusa em pedir fiança em dinheiro por contravenções e crimes não violentos.

Gascon também enfrentou críticas por duas políticas que ele flexibilizou desde então, incluindo uma proibição geral de processar jovens como adultos e a recusa de pedir penas de prisão perpétua sem liberdade condicional.

*Com informações de Simone Pathe e Fredreka Schouten, da CNN.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

Nossa Casa TV © Todos direitos reservados