Home » Especialistas reforçam necessidade de políticas públicas para pessoas autistas | CNN Brasil

Especialistas reforçam necessidade de políticas públicas para pessoas autistas | CNN Brasil

por nicolybastos
0 Comente
especialistas-reforcam-necessidade-de-politicas-publicas-para-pessoas-autistas-|-cnn-brasil

O Dia do Orgulho Autista é comemorado em 18 de junho. Com a chegada da data, especialistas ouvidos pela CNN, destacam que uma das ferramentas mais importantes para a inclusão é a educação.

Existem no Brasil, atualmente, 36 mil alunos com Transtorno do Espectro Autista (TEA), segundo dados oficiais do Censo Escolar 2023, publicado em fevereiro de 2024. De acordo com o estudo, o número de matrículas de pessoas com autismo no país teve um aumento de 48% de 2022 para 2023. Já existem projetos e políticas públicas brasileiras para a maior inclusão de pessoas com TEA na educação.

Em conversa com especialistas no assunto a partir de um estudo com materiais acadêmicos, a CNN elencou lacunas e melhorias na educação como ferramenta de inclusão e melhor qualidade de vida para pessoas autistas.

“A inclusão de uma pessoa com autismo começa na sala de aula, onde todas as crianças e jovens têm a oportunidade de aprender juntos, respeitar e compreender as diferenças”, aponta Ton Felix, jornalista e professor universitário, em conversa com a CNN. “Falar de neurodivergência no contexto educacional é relativamente novo, mas está ganhando cada vez mais espaço para ser discutido e enfatizado em escolas e faculdades.”

O psiquiatra Antônio Geraldo, presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), destaca que campanhas educacionais e políticas públicas ainda precisam de um alcance maior na sociedade.

“É fundamental proporcionar oportunidades educacionais, de empregabilidade e de lazer que incluam pessoas autistas. Aumentar a participação de pessoas autistas, das famílias e dos profissionais que cuidam dessas pessoas em processos decisórios como a formulação de políticas públicas voltadas para elas. Promover campanhas de conscientização sobre a doença para que a sociedade tenha uma visão mais empática dessas pessoas e combater o estigma que ainda é muito forte em relação ao autismo. Tudo isso é fundamental”, diz Geraldo.

A concessão da educação da pessoa com deficiência é protegida como direito na Lei Brasileira de Inclusão, que dispõe em seu artigo 27:

A educação constitui direito da pessoa com deficiência, assegura dos sistema educacional inclusivo em todos os níveis e aprendizado ao longo de toda avida, de forma a alcançar o máximo desenvolvimento possível de seus talentos e habilidades físicas, sensoriais, intelectuais e sociais, segundo suas características, interesses e necessidades de aprendizagem.

Existem políticas públicas em vigor para educação de pessoas com autismo?

Em novembro de 2023, o Ministério da Educação (MEC) lançou o Plano de Ampliação e Fortalecimento da Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva (PNEEPEI), focado em crianças com deficiência, que consiste em promover ações e investimentos para formação, infraestrutura, transporte, recursos de tecnologia assistiva e pedagógicos.

A ideia do plano é que, até 2026, mais de 2 milhões de estudantes do ensino público da educação especial estejam matriculados em classes comuns.

O MEC ainda declara que está empenhado em identificar e eliminar os desafios enfrentados, tal como assegurar a oferta de formação especializada para o corpo docente e empreender ações para a promoção de uma cultura inclusiva e de combate ao capacitismo no contexto escolar.

Atualmente, a Câmara dos Deputados analisa um projeto de lei (PL 1049/24) que define a formação e a atuação do acompanhante para pessoas com autismo incluídas em classes comuns no ensino regular. O projeto ainda está em tramitação.

Já o Sistema Único de Saúde (SUS) possui iniciativas que promovem acolhimento às pessoas com o transtorno neurodivergente.

Desde setembro de 2023, o Ministério da Saúde incluiu o tratamento do Transtorno do Espectro Autista na Política Nacional da Pessoa com Deficiência. A partir disso, pessoas com TEA e seus familiares, acompanhantes e cuidadores contam com 300 Centros Especializados em Reabilitação (CER), que são responsáveis pelo diagnóstico, acompanhamento, adaptação e manutenção de tecnologia assistiva.

Sendo assim, em casos suspeitos de Transtorno do Espectro Autista, o paciente deve ser levado à Unidade Básica de Saúde mais próxima para avaliação.

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

Nossa Casa TV © Todos direitos reservados