Home » Estadão avalia que o “presidente Lula flerta com o desastre”

Estadão avalia que o “presidente Lula flerta com o desastre”

por NCTV
0 Comente

Insatisfeito com os rumos do governo, o jornal O Estado de S.Paulo voltou a criticar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em editorial publicado neste sábado (27). No texto opinativo, o veículo de imprensa defende que o petista “flerta com o desastre” ao tentar “reescrever a história da passagem do PT pelo poder” no mandato atual. O periódico frisa que o presidente venceu as eleições – por uma margem pequena – sob a defesa de uma “frente ampla”, e não para impor a agenda petista de intervenção estatal.

 

No editorial intitulado Não Foi Essa a Agenda que Venceu a Eleição, o Estadão cita as tentativas do governo de pressionar a Vale para aceitar Guido Mantega na presidência da empresa e de resgatar do ostracismo a figura do ex-ministro, deteriorada por escândalos de corrupção.

– Lula da Silva está convencido de que conquistou seu terceiro mandato não para “defender a democracia”, como apregoou na campanha, mas para impor a agenda petista de desbragada intervenção estatal. A ofensiva lulopetista sobre a Vale já seria indecorosa mesmo se fosse uma iniciativa isolada, mas está longe de ser. Tudo parece fazer parte da visão fantasiosa segundo a qual o Brasil elegeu Lula para dissipar o pouco progresso que o País fez para regular o apetite estatal – diz o jornal.

 

O Estadão também cita como exemplo a tentativa do governo de retomar cargos no Conselho de Administração da Eletrobras, de investir na “malfadada Refinaria Abreu e Lima” e “retomar políticas fracassadas e marcadas pela mão pesada do Estado”.

– Está claro que a única preocupação no horizonte de Lula da Silva são as eleições. De olho nos desdobramentos da disputa municipal, o presidente corre para recriar bandeiras ideológicas que impulsionem os candidatos a prefeito do PT e de partidos aliados. Vê nisso um caminho para ampliar a rede de apoios regionais e fortalecer sua própria candidatura à reeleição em 2026, bem como ampliar a base aliada no Congresso – acrescentou.

O jornal faz questão de lembrar ao presidente que ele conquistou seu mandato na “disputa eleitoral mais acirrada da história”, por uma diferença de menos de dois pontos percentuais. E que somente o conseguiu devido ao discurso de “frente ampla” e “defesa da democracia”.

– O tom conciliador que Lula adotou assim que foi eleito começa a dar lugar a um revisionismo histórico que nega os equívocos que permearam a malfadada “Nova Matriz Econômica”. A nova política industrial recentemente apresentada, por exemplo, é um compilado das ideias atrasadas que tantos prejuízos causaram ao longo da trevosa era petista – avalia.

O texto finaliza afirmando que Lula deseja convencer o país de que os desastres que resultaram da era petista nunca aconteceram.

– Vai ser difícil – ponderou o jornal.

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

Nossa Casa TV © Todos direitos reservados