Home » Exclusivo: entenda como os EUA preparam resposta às ameaças contra eleições | CNN Brasil

Exclusivo: entenda como os EUA preparam resposta às ameaças contra eleições | CNN Brasil

por karolineporto
0 Comente
exclusivo:-entenda-como-os-eua-preparam-resposta-as-ameacas-contra-eleicoes-|-cnn-brasil

Quando funcionários do alto escalão da segurança nacional se reuniram na sala de crise da Casa Branca, a chamada “Situation Room”, em dezembro, para se prepararem para as eleições de 2024, eles enfrentaram dois cenários simulados que testaram os limites de qualquer resposta federal ao caos relacionado às eleições, disseram quatro pessoas familiarizadas com a reunião à CNN.

E se agentes chineses criassem um vídeo falso gerado por inteligência artificial mostrando um candidato ao Senado destruindo cédulas? E como devem as agências federais responder se a violência irromper nos locais de votação no dia das eleições?

Por quase uma hora, as autoridades número 2 do FBI, da CIA e dos departamentos de Segurança Interna e Justiça lutaram para descobrir como responder ao vídeo deepfake, incluindo se e como notificar o público sobre a atividade se não tivessem certeza de que a China estava por trás disso, disseram as fontes à CNN.

Quando se trata de uma resposta federal coordenada a coisas como a desinformação desenfreada, deepfakes e o assédio aos funcionários eleitorais, “estamos todos de mãos atadas”, disse um funcionário dos EUA familiarizado com o exercício de segurança eleitoral.

A reunião até então não divulgada foi o primeiro exercício desse tipo que a Casa Branca sob o governo Biden realizou em mais de três anos no cargo. O encontro destacou as questões dolorosas que a administração enfrenta à medida que analisa potenciais ameaças às eleições de 2024 – e os limites do poder federal para respondê-las.

As autoridades de segurança nacional dos EUA têm que ponderar se, ao chamar publicamente a atenção para a desinformação, pode, inadvertidamente, amplificar a própria mensagem que eles estão tentando reprimir. E podem agir mais rapidamente para falar publicamente se souberem que um ator estrangeiro está por trás de uma operação de informação visando as eleições.

Se houver a possibilidade de um cidadão americano estar envolvido, as autoridades norte-americanas ficam mais relutantes em combatê-la publicamente, por receio de dar a impressão de que estão influenciando as eleições ou restringindo o discurso.

Em ambos os cenários, as autoridades federais favoreceram uma resposta pública silenciosa, optando em grande parte por deixar os governos estaduais e locais assumirem a liderança.

Isso aponta para um dilema profundo que enfrentam: como é que o governo federal protege os eleitores das ameaças eleitorais quando muitos desses eleitores não confiam no governo federal em primeiro lugar? As autoridades estaduais e locais conduzem as eleições e são vozes de maior confiança nas suas comunidades, mas como podem as autoridades federais agir de forma decisiva para apoiá-las?

Uma eleitora vota nas eleições primárias presidenciais democratas e republicanas em Las Vegas, Nevada, EUA, realizadas dois dias antes de caucus republicano no Estado / 06/02/2024 REUTERS/David Swanson

Os participantes optaram para que os funcionários eleitorais estaduais, e não o governo federal, liderassem qualquer mensagem pública para combater a desinformação espalhada pelo vídeo falso em suas jurisdições, disseram duas das fontes. As autoridades também discutiram opções para notificar o Congresso. Ninguém na mesa levantou a mão se oferecendo para ser a principal agência federal a contar ao público sobre o deepfake.

Quanto à violência nas urnas, as autoridades federais decidiram não enviar agentes federais para apoiar a polícia local porque não tinham competência para fazê-lo.

“Estamos em território desconhecido agora”

O exercício de segurança eleitoral ocorreu um mês depois do líder chinês Xi Jinping ter garantido ao presidente Joe Biden, em uma reunião presencial, que a China não interferiria nas eleições de 2024 nos EUA, sinalizando que a administração ainda estava se preparando para esse potencial.

O papel dos deepfakes na segurança eleitoral tornou-se ainda mais crítico após a recente ligação automática feita por inteligência artificial antes das primárias de New Hampshire que imitava a voz de Biden, disse à CNN outro funcionário dos EUA familiarizado com a reunião.

“Estamos em território desconhecido neste momento”, disse o funcionário familiarizado com a reunião, citando a facilidade com que alguém pode usar a IA para criar áudio e vídeo falsos para atingir os eleitores e os desafios que as agências dos EUA enfrentam para responder rapidamente. “É a velocidade e o volume com que nossos adversários podem inundar o ambiente de informação”.

O Ministério das Relações Exteriores chinês disse em uma declaração à CNN na semana passada que a posição da China é “sempre aderir ao princípio de não interferência nos assuntos internos de outros países”.

Joe Biden e Xi Jinping em Woodside, na Califórnia / 15/11/2023 REUTERS/Kevin Lamarque

Funcionários de várias agências federais informaram na semana passada o Comitê de Inteligência do Senado sobre sua preparação de segurança eleitoral para 2024, incluindo o exercício da Casa Branca em dezembro, disseram à CNN três fontes familiarizadas.

Houve perguntas pontuais e sem resposta sobre como o governo federal lidará com falsificações geradas por IA nas eleições, disseram duas fontes. E os senadores ficaram se perguntando até que ponto o governo federal realmente está preparado para responder a esse tipo de ameaça. Um porta-voz do Comitê de Inteligência do Senado se recusou a comentar o briefing.

“As eleições já estão chegando e continuarei pressionando para garantir que estamos usando todos os recursos e autoridades disponíveis para dissuadir, detectar, interromper e expor os esforços estrangeiros para interferir em nossas eleições”, disse o senador Mark Warner, democrata da Virgínia que preside o comitê.

Em nota à CNN, um funcionário do alto escalão do governo enfatizou que a segurança eleitoral é uma prioridade máxima.

“Continuamos preocupados com uma série de atores que procuram interferir no processo eleitoral e minar a confiança na nossa infraestrutura eleitoral. A IA generativa fornece a esses atores uma maneira de turbinar seus esforços malignos”, disse o funcionário. “É por isso que há um esforço de todo o governo para garantir a integridade e a segurança das eleições federais de 2024”.

As políticas em nível estadual também ainda são um trabalho em andamento. A CNN perguntou recentemente às autoridades eleitorais em todos os 50 estados sobre os esforços para combater os deepfakes.

Dos 33 que responderam, a maioria descreveu programas existentes nos seus estados para responder à desinformação geral ou às ameaças cibernéticas. Menos de metade desses estados, no entanto, fez referência a formações, políticas ou programas específicos elaborados para responder a deepfakes relacionados com eleições.

A votação começa nas primárias de New Hampshire
Funcionários eleitorais nas seções de voto nas primárias de New Hampshire / 02/2024/ Reuters

Em uma entrevista recente à CNN, Francisco Aguilar, secretário de Estado em Nevada, o principal responsável eleitoral do estado, disse que ainda está descobrindo como lidar com a ameaça de falsificações geradas pela inteligência artificial nas eleições e como as agências federais podem ajudá-lo

“Você olha para o nosso orçamento no estado de Nevada e vê quais restrições temos”, disse Aguilar. “Não creio que tenhamos passado por um ciclo eleitoral completo onde isso realmente existiu. Portanto, estamos em tempos pioneiros agora”.

Equilibrando vigilância com cautela

Depois de um semestre relativamente tranquilo em 2022, as autoridades federais encarregadas da segurança eleitoral estão se preparando para uma série de ameaças potenciais e esperam que hackers da Rússia, China e Irã estejam ativos, enquanto os teóricos da conspiração viral estão prontos para atacar qualquer falha na votação para falsamente clamar fraude.

As mentiras do ex-presidente Donald Trump sobre a fraude eleitoral continuam a ressoar em grande parte do país, com a maioria dos republicanos e de tendência republicana dizendo que a vitória de Biden em 2020 não foi legítima, de acordo com uma pesquisa da CNN em julho.

Depois de serem pegos de surpresa por uma campanha russa de hackear e vazar nas eleições de 2016 e pelos desordeiros pró-Trump que invadiram o Capitólio após as eleições de 2020, as autoridades dos EUA focadas em garantir as eleições estão tentando equilibrar a necessidade de permanecer vigilantes com cautela sobre quando falar sobre essas ameaças sem que o tiro saia pela culatra.

Vários ex-funcionários sêniores da segurança nacional dos EUA envolvidos na proteção das eleições disseram à CNN que, em um mundo pós-2016, a divulgação de informações de inteligência pode ser interpretada como política.

“É um truque”, disse Adam Hickey, que trabalhou em questões de segurança eleitoral para a Divisão de Segurança Nacional do Departamento de Justiça. “A menos que a prova de que é falso seja virtualmente indiscutível, [as autoridades dos EUA] serão acusadas de influenciar a própria eleição, e ninguém quer isso”.

Detalhe da Situation Room da Casa Branca, em 16 de agosto de 2023 / Carlos Fyfe/White House

Mas se as autoridades dos EUA puderem expor o papel de um governo estrangeiro em uma campanha de interferência, disse Hickey, “os eleitores podem avaliar a mensagem à luz da sua fonte, sem especular sobre quem o governo estrangeiro favorece ou porquê”.

Ainda assustados pela interferência russa em 2016

Alguns membros do governo federal ainda estão assustados com a lentidão do sistema de segurança nacional em alertar o público sobre a interferência russa em 2016. Isso aconteceu muitos meses depois dos estados descobrirem que hackers russos haviam escaneado seus sistemas informáticos.

Mas as autoridades de segurança nacional também estão interessadas em evitar anunciar um novo acontecimento importante na véspera de uma eleição sem fornecer ao público informações adequadas para agir sobre o assunto.

Durante o exercício na Casa Branca, os funcionários federais do alto escalão estavam testando uma política que foi estabelecida depois de 2016 para notificar o público e o Congresso sobre interferências eleitorais estrangeiras.

A política estipula que “a política partidária não deve desempenhar” um papel na decisão de informar o público sobre atividades de interferência estrangeira. Também pede às autoridades que considerem se abrir ao público tornará a interferência estrangeira menos eficaz, em vez de amplificá-la inadvertidamente.

O Departamento de Justiça, o FBI e a CIA se recusaram a comentar o exercício de segurança eleitoral. O Departamento de Segurança Interna encaminhou as questões ao Conselho de Segurança Nacional.

Cait Conley, uma veterana de combate do Exército dos EUA que ingressou na Agência de Segurança Cibernética e de Infraestrutura do Departamento de Segurança Interna no ano passado para reforçar o trabalho de segurança eleitoral, recusou-se a discutir a reunião na Casa Branca, mas disse que sua agência realizou mais de duas dúzias de exercícios de segurança com autoridades estaduais e locais no ano passado.

“Priorizamos exercícios de mesa que integram a gama de ameaças cibernéticas, físicas e operacionais que os funcionários eleitorais podem encontrar”, disse Conley em nota à CNN. “Muitas dessas ameaças derivam das táticas e técnicas dos nossos adversários estrangeiros – desde operações de penetração de redes chinesas até operações de influência estrangeira russas e iranianas”.

*Com informações de Evan Perez, Natasha Bertrand, Donie O’Sullivan e Katie Bo Lillis, da CNN.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

Nossa Casa TV © Todos direitos reservados