Home » Governo gera incerteza fiscal e pressiona juros para cima

Governo gera incerteza fiscal e pressiona juros para cima

por Agora Noticias Brasil
0 Comente
governo-gera-incerteza-fiscal-e-pressiona-juros-para-cima

As perspectivas para as contas públicas ainda são fonte de preocupação para o mercado financeiro e devem continuar a impactar os ativos nacionais conforme as notícias sobre gastos subestimados e receitas superestimadas se multiplicam.

Do lado das despesas, estimativas para a previdência apontam para gastos até 20 bilhões de reais acima do previsto pelo governo. E do lado das receitas, revisões em medidas em tramitação e nas negociações com empresas por renovação de concessões devem prejudicar a expectativa de arrecadação.

Com as propostas arrecadatórias enfrentando dificuldade no Congresso Nacional, o governo estuda acionar a Justiça para tentar rever as decisões do parlamento. No entanto, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, deve insistir com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, por uma saída negociada à redução na contribuição previdenciária de municípios com até 156 mil habitantes.

  • Governo Lula destina mais de R$ 8 bi do Ministério da Saúde em troca de apoio político
  • Ex de filho de Lula diz que presidente não tem ‘nada a ver’ com acusações

Pacheco derrubou a proposta do governo para evitar o desconto, o que, de acordo com números da Fazenda, reduziria a arrecadação deste ano em cerca de 10 bilhões de reais.

Com menos a receber e mais a gastar, a meta de zerar o déficit primário ainda este ano está cada vez mais longe. A resposta do mercado financeiro para o descompasso entre as estimativas do governo e a realidade das contas públicas tem aparecido nos juros futuros.

Na sessão de quarta-feira, 3, a precificação da Selic para o fim deste ano que chegou a ficar na casa dos 8% no ano passado, está acima de 9,75% ao ano até dezembro de 2024. Isso significa que o mercado entende que o Banco Central não terá mais tanto espaço para reduzir os juros, em função da desconfiança com a responsabilidade fiscal.

Além disso, o contínuo atraso para o início do ciclo de cortes de juros americanos também tem afetado as expectativas sobre a taxa básica e o câmbio por aqui.

No cenário corporativo, o governo também tem gerado ruídos prejudiciais. A elevação do tom do ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, contra o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, voltou a movimentar o noticiário e deve impactar negativamente o mercado acionário brasileiro na sessão desta quinta-feira, 4.

O Antagonista

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

Nossa Casa TV © Todos direitos reservados