Home » Kim Jong Un rompeu com décadas de política da Coreia do Norte – ele planeja uma guerra? | CNN Brasil

Kim Jong Un rompeu com décadas de política da Coreia do Norte – ele planeja uma guerra? | CNN Brasil

por karolineporto
0 Comente
kim-jong-un-rompeu-com-decadas-de-politica-da-coreia-do-norte-–-ele-planeja-uma-guerra?-|-cnn-brasil

À medida que a guerra na Ucrânia avança para o seu terceiro ano e os combates em Gaza inflamam uma crise mais ampla em todo o Oriente Médio, os observadores de segurança globais estão observando de perto outra parte do mundo – a Coreia do Norte, onde as últimas provocações de Kim Jong Un estão levantando questões sobre suas intenções militares.

Nas últimas semanas, o líder deixou de lado décadas de política do seu país em relação à Coreia do Sul – proclamando agora que a Coreia do Norte já não procuraria a reconciliação e a reunificação com o Sul e apelando para que fosse classificada como o seu “inimigo permanente”.

A Coreia do Norte “não quer a guerra, mas não a evitará”, declarou Kim em uma reunião política no mês passado, segundo a mídia estatal KCNA.

Se a guerra acontecesse, o objetivo do país seria “ocupar, suprimir e recuperar a República da Coreia e subjugá-la ao território da república”, disse ele, referindo-se à Coreia do Sul pelo seu nome oficial.

A mudança política radical no país com capacidade nuclear foi acompanhada por uma série de testes de armas, pelo bombardeamento de uma zona tampão marítima e pelos apelos de Kim à Coreia do Norte para acelerar os preparativos de guerra em resposta aos “movimentos de confronto” dos EUA.

Em conjunto, os acontecimentos estão suscitando preocupação internacional – e debate entre observadores experientes – sobre as intenções do líder que está no centro do regime secreto do país.

“Não sabemos quando ou como Kim planeja puxar o gatilho, mas o perigo já está muito além dos avisos rotineiros em Washington, Seul e Tóquio sobre as ‘provocações’ de Pyongyang”, escreveram os proeminentes especialistas Robert Carlin e Siegfred Heckler na publicação 38 North, focada na Coreia do Norte, no mês passado. Kim, sugerem eles, “tomou uma decisão estratégica de ir à guerra”.

Muitos outros observadores discordam – argumentando que o líder de 40 anos sabe bem que qualquer grande movimento militar contra a Coreia do Sul e o seu aliado, os Estados Unidos, poderia acelerar o fim do seu próprio regime.

Mas também esses observadores estão se preparando para um ano de agressão crescente – e manifestam preocupação com o risco da escalada das hostilidades da Coreia do Norte levar a algum tipo de envolvimento militar na Península Coreana, aumentando o risco, ainda que remoto, de conflito nuclear.

Imagem divulgada este mês pela Agência Central de Notícias Coreana de Pyongyang mostra um teste de inspeção de um novo míssil terra-mar em um local não revelado na Coreia do Norte / Mídia estatal norte-coreana/KCNA

“A situação na Península Coreana entrou em uma fase muito crítica”, disse Eul-Chul Lim, diretor do Centro de Pesquisa da Coreia do Norte no Instituto de Estudos do Extremo Oriente (IFES) da Universidade Kyungnam, em Seul.

“Dado o elevado nível de tensão mútua, existe a possibilidade de conflito acidental devido a mal entendidos, julgamentos errados e percepções erradas” – mesmo que Kim provavelmente veja “poucos benefícios políticos ou econômicos” na guerra, acrescentou ele.

Kim é conhecido pelas suas provocações e sinalizou nos últimos anos uma mudança política iminente na Coreia do Sul.

Mas os especialistas dizem que as mudanças agora são provavelmente motivadas pelas preocupações crescentes de Kim, à medida que a Coreia do Sul e os Estados Unidos intensificam os exercícios militares e a coordenação – e a sua recém-adquirida confiança em um clima geopolítico em mudança que aproximou Pyongyang de um parceiro fundamental, a Rússia.

As mudanças também coincidem com um ano eleitoral nos EUA, onde o Presidente Joe Biden procura um segundo mandato enquanto gere múltiplas crises globais. Kim provavelmente está observando atentamente – e pode estar ansioso para vê-lo substituído pelo antecessor e candidato Donald Trump.

Uma grande mudança

Durante décadas, os governos de ambos os lados da dividida Península Coreana se mantiveram como membros da mesma família com o objetivo final de uma reunificação pacífica. Os dois lados estão isolados desde 1953, quando um armistício colocou fim à Guerra da Coreia, e permanecem tecnicamente em guerra.

“(Kim Jong Un) está agora dizendo que a Coreia do Sul não é mais vista como outra Coreia. A Coreia do Sul é vista como uma potência completamente estrangeira”, disse Edward Howell, professor de política na Universidade de Oxford, no Reino Unido, que se concentra na Península Coreana.

Líder norte-coreano, Kim Jong Un / 05/12/2023 KCNA via REUTERS

Reclassificar a Coreia do Sul como um estado inimigo, dizem os especialistas, permite a Kim justificar a contínua construção do seu arsenal nuclear e de mísseis – e ameaçar Seul, que adoptou uma linha mais dura contra Pyongyang sob o presidente Yoon Suk Yeol.

Apesar das pesadas sanções internacionais, Kim continuou construindo esse arsenal nos últimos anos, centrado no desenvolvimento de armas capazes de atacar não apenas a Coreia do Sul e o Japão, mas também o território norte-americano de Guam e o continente americano – capacidades que ele considera essenciais para dissuadir um potencial ataque e garantir a sobrevivência do seu regime.

Desde 2022, Kim tem reiterado que o objetivo principal do seu arsenal nuclear é “dissuadir a guerra”, mas também levantou o potencial de utilização de armas nucleares para contrariar os esforços de violação dos “interesses fundamentais” do Norte.

Ele também está cada vez mais alarmado com o fortalecimento dos laços entre os EUA e a Coreia do Sul.

Yoon e Biden aprimoraram os planos de dissuasão e a coordenação dos seus países frente às ameaças e ao desenvolvimento de armas da Coreia do Norte. Isso incluiu a expansão de exercícios conjuntos na região e a cooperação em segurança, inclusive com o Japão – tudo o que Kim vê como uma ameaça ao seu regime.

O “progresso” da Coreia do Sul e dos Estados Unidos na dissuasão “é uma das principais razões pelas quais Kim Jong Un se sente muito frustrado”, segundo Won Gon Park, professor do departamento de estudos norte-coreanos da Ewha Womans University em Seul.

Kim foi explícito sobre essas preocupações. No mês passado, ele disse que “a instabilidade da situação regional está aumentando devido à escalada das tensões militares liderada pelos EUA” e que, embora Pyongyang não queira a guerra, o “perigo” de acontecer “se agravou consideravelmente”, segundo a KCNA.

Soldados do Exército dos EUA estão na Área de Segurança Conjunta (JSA) da zona desmilitarizada entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul. / Picture Alliance/Getty Images

A mudança política de Kim em relação à Coreia do Sul também pode estar ligada à visão de que as negociações com os EUA já não são um caminho viável para cumprir os objetivos de ser reconhecido como um estado nuclear e receber o alívio das sanções.

Pyongyang rejeitou o contato de Washington na sequência de uma cúpula que falhou em 2019 entre Kim e o então presidente dos EUA, Trump, de acordo com os EUA.

O líder norte-coreano também pode ver o abandono da política de reunificação não como um passo em direção à guerra, mas como uma defesa necessária, dizem alguns. Kim indicou isso mesmo nas suas próprias declarações públicas, dizendo no mês passado que o país está cultivando a sua “força” não para um “ataque preventivo” para realizar a reunificação pela força, mas sim para uma “autodefesa legítima”.

Kim está “particularmente cauteloso com a absorção (da Coreia do Norte) pelo Sul (e) acredita que é impossível estabelecer relações normais com o Sul sem desenvolver a economia norte-coreana”, de acordo com Lim da IFES, apontando para a fraqueza econômica do país em relação ao Sul.

Em vez de “conversas vazias sobre reunificação”, Kim quer concentrar recursos na construção do seu arsenal e da sua economia – e no trabalho com novos parceiros para obter benefícios econômicos, acrescentou.

Cinco autoridades dos EUA também disseram recentemente à CNN que os EUA não viram sinais de que Kim esteja se preparando para um potencial ataque à Coreia do Sul, ou para uma provocação mais ampla envolvendo armas nucleares.

Na verdade, acreditam alguns analistas, as declarações públicas da Coreia do Norte sinalizam que o país está abandonando a sua política de reunificação em busca da paz na península.

“A prioridade número 1 [de Kim] é a sustentação do seu regime”, disse um funcionário do alto escalão da defesa. “Isso não é uma mudança – tem sido uma prioridade estratégica de toda a sua família desde a Guerra da Coreia”.

Emissora de TV exibe reportagem sobre lançamento de foguete pela Coreia do Norte, em estação de trem em Seul / 24/08/2023 REUTERS/Kim Hong-Ji

Um Kim “encorajado”

O líder norte-coreano também poderá se sentir mais confiante relativamente ao seu arsenal e às suas opções, à medida que observa uma paisagem global em mudança.

Do seu ponto de vista, dizem os especialistas, Kim vê a influência dos EUA caindo e sendo testada em conflitos desde a Ucrânia até ao Oriente Médio – e a China ascendente rodeada por uma coligação crescente de países, incluindo a Rússia e o Irã, todos em desacordo com o Ocidente.

“Kim Jong Un foi encorajado, não apenas pela divisão entre os EUA e a China e os EUA e a Rússia, mas, mais importante ainda, por um mundo fragmentado onde a liderança dos EUA foi consideravelmente enfraquecida e não há consequências significativas para a agressão”, disse Rachel Minyoung Lee, pesquisadora não-residente do Programa 38 Norte do think tank Stimson Center, em Washington.

A sua mudança política em relação à Coreia do Sul faz parte de uma “mudança mais ampla e fundamental na política externa, nomeadamente a desistência da normalização das relações com os EUA através da desnuclearização e da mudança para a China e a Rússia”, disse ela.

Esse pivô recebeu um grande impulso em setembro, quando Vladimir Putin deu as boas-vindas ao líder norte-coreano na Rússia para uma rara viagem ao exterior – uma reunião que as autoridades ocidentais dizem ter sido alimentada pela necessidade do presidente russo de reforçar as munições cada vez mais escassas na sua guerra contra a Ucrânia.

Desde então, a Rússia disparou mísseis balísticos de curto alcance fornecidos pela Coreia do Norte na sua guerra, de acordo com a Casa Branca, que classificou a situação como uma “escalada preocupante” do apoio de Pyongyang.

Os analistas especularam que a Rússia retribuiu com ajuda ao programa de satélites espiões da Coreia do Norte. Uma maior cooperação com Moscou também poderia potencialmente ajudar Kim a resolver a escassez crônica de alimentos e combustíveis e a construir a economia da Coreia do Norte.

Kim Jong Un e Vladimir Putin durante visita do líder norte-coreano à Rússia / 13/9/2023 KCNA via REUTERS

A China, de longe a mais importante tábua da salvação econômica da Coreia do Norte, continua cautelosa relativamente a quaisquer movimentos de Pyongyang que possam desestabilizar ou atrair mais forças dos EUA para a região.

No entanto, no meio de crescentes atritos com Washington, Pequim bloqueou nos últimos anos os esforços apoiados pelos EUA no Conselho de Segurança das Nações Unidas para censurar a Coreia do Norte, e procurará continuar empenhado com Pyongyang, especialmente à medida que este se aproxima de Moscou.

O regime de Kim também pode ver a expansão do conflito no Oriente Médio como uma oportunidade para criticar o Ocidente e obter rendimentos, de acordo com Howell em Oxford, apontando para como o Irã há muito desempenha o papel de intermediário para a Coreia do Norte fornecer armas a grupos militantes como Hamas.

“(Uma) coisa que mudou foi a capacidade da Coreia do Norte de explorar as crises globais mais amplas em seu benefício”, disse ele.

O que vem a seguir?

Especialistas alertam que o aumento das tensões na Coreia do Norte deverá continuar esse ano, à medida que Washington continua a reforçar os exercícios e a colaboração com os seus parceiros regionais para dissuadir Kim.

A forma de reduzir essas tensões está aberta ao debate, com alguns especialistas em política sublinhando que essa demonstração de força continua sendo a melhor dissuasão para a agressão norte-coreana.

Outros argumentam que a coligação precisa encontrar formas de minimizar a possibilidade de Kim sentir que o seu regime está ameaçado pelas suas atividades e, como resultado, evitar que Pyongyang se aproxime de Moscou e Pequim.

“Kim Jong Un está cauteloso com uma provocação em grande escala por parte dos militares sul-coreanos disfarçada de exercício militar e prometeu ocupar o território sul-coreano sem hesitação”, disse Lim em Seul.

“Portanto, se os EUA, a Coreia do Sul e o Japão não conseguirem diminuir a ameaça da Coreia do Norte durante exercícios militares conjuntos, poderá ocorrer um conflito militar na Península Coreana”, disse ele.

Navios de guerra sul-coreanos, americanos e japoneses navegam em formação durante um exercício conjunto em águas internacionais ao largo da ilha de Jeju, no sul da Coreia do Sul, no ano passado / South Korean Defense Ministry

Lee, em Washington, concordou que “um Kim Jong Un encorajado pode estar mais inclinado a tomar medidas militares contra o que ele considera ser a menor ameaça à Coreia do Norte, como exercícios militares conjuntos EUA-Coreia do Sul”.

Nos próximos meses, Kim também acompanhará de perto as próximas eleições presidenciais dos EUA, enquanto Trump tenta reconquistar a presidência.

Não está claro se Kim se envolveria novamente com o ex-presidente caso ele fosse reeleito. Mas os especialistas dizem que Kim provavelmente está esperançoso de que um Trump recém-eleito, que há muito tempo rejeita alianças no exterior, reverta a cooperação de segurança dos EUA com a Coreia do Sul e o Japão – e o líder norte-coreano poderia até tentar impactar a dinâmica eleitoral com um movimento agressivo.

Um potencial poderia ser Kim lançar o sétimo teste nuclear de Pyongyang, no que seria o primeiro desde 2017, de acordo com Park, da Ewha Womans University. “Se a Coreia do Norte realizar um sétimo teste nuclear, significará um fracasso total da administração Biden e dará um ponto de ataque muito bom para Trump (chamar Biden) de ineficaz no trato com o líder norte-coreano”, disse ele.

Mais adiante, apesar das mudanças radicais que Kim fez agora na política do seu país em relação à Coreia do Sul, se o líder norte-coreano vir uma abertura para avançar os seus objetivos maiores, sentando-se novamente com o Sul e os EUA, ele poderá mudar de rumo “a qualquer momento” – para reverter essas mudanças, acrescentou Park.

“Esse é o tipo de comportamento [que se pode esperar] da Coreia do Norte”, disse ele.

*Com informações de Yoonjung Seo e Brad Lendon, da CNN.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

Nossa Casa TV © Todos direitos reservados