Home » Médico de famosas é proibido de deixar o país: “Devedor contumaz”

Médico de famosas é proibido de deixar o país: “Devedor contumaz”

por Agora Noticias Brasil
0 Comente
medico-de-famosas-e-proibido-de-deixar-o-pais:-“devedor-contumaz”

São Paulo — O cirurgião plástico Herbert Gauss Júnior, médico de celebridades como a cantora Gretchen e a apresentadora Márcia Goldschmidt, foi proibido pela Justiça de São Paulo de deixar o país por causa de uma dívida. A defesa disse que a decisão “fere de morte o direito de ir e vir” e declarou que vai recorrer.

A proibição imposta a Gauss decorre de uma ação de erro médico movida por uma paciente após uma cirurgia nas mamas. Em 2013, o cirurgião foi condenado a pagar uma indenização por danos morais e materiais à paciente.

O valor atualizado da dívida, que nunca foi paga, era de R$ 272 mil em 2022.

Contas sem saldo
O relator do processo no Tribunal de Justiça de São Paulo, desembargador Rui Cascaldi, afirma, em sua decisão, que chama a atenção o fato de as contas bancárias do médico estarem sem saldo. “Constatação que contrasta com sua condição de cirurgião plástico de renome, com pacientes famosos, dono de clínica especializada e que desfruta […] de elevado padrão de vida.”

Como a paciente não recebeu a indenização, segundo o desembargador, “se fez necessária a adoção de métodos diferenciados de coerção” — daí a determinação do bloqueio do passaporte e a proibição de deixar o Brasil. “Tudo com o intuito maior de satisfação do credor”, diz Cascaldi.

“A suspensão do passaporte em conjunto com o impedimento de saída do país afasta a possibilidade de o executado, devedor contumaz, sair do Brasil com o uso de passaporte estrangeiro ou outro documento, tornando a medida efetiva”, diz o desembargador na sentença.

  • Filipe Martins fala por 2h à PF
  • Ex de Nicole Bahls é preso em flagrante durante busca e apreensão
  • Condenado, Daniel Alves seguirá recebendo alto valor do São Paulo

O que diz a defesa
Em contato com o Metrópoles, os advogados Ricardo Calil e Paulo Santos, que defendem o cirurgião plástico, disseram que a decisão “fulmina um dos princípios primordiais do direito”.

Para a defesa, o estado de direito fica fragilizado quando uma garantia constitucional, como o direito de ir e vir, é ameaçada. “Na medida em que a discricionariedade de um juiz se coloca acima da lei máxima que rege a nação.”

A decisão foi, ainda, comparada à pena de prisão. “Por mais que haja entendimento pela constitucionalidade das medidas atípicas, proibir o cidadão de andar livremente apenas aumentou a extensão de seu cárcere às fronteiras do Brasil”, dizem os defensores, em nota.

A defesa confirmou que apresentará recurso aos tribunais superiores

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

Nossa Casa TV © Todos direitos reservados