Home » MP denuncia Eurípedes Jr. por organização criminosa e defende prisão

MP denuncia Eurípedes Jr. por organização criminosa e defende prisão

por Agora Noticias Brasil
0 Comente
mp-denuncia-euripedes-jr.-por-organizacao-criminosa-e-defende-prisao

O Ministério Público Eleitoral, por meio da 1ª Promotoria de Justiça Eleitoral, apresentou denúncia contra Eurípedes Júnior (foto em destaque), presidente do Solidariedade e principal alvo da Operação Fundo no Poço, deflagrada pela Polícia Federal (PF).

Se a manifestação for aceita pela Justiça, o investigado, que também foi dirigente do Partido Republicano da Ordem Social (Pros), tornará-se réu por organização criminosa, furto qualificado, apropriação indébita, falsidade ideológica e apropriação de recursos destinados ao financiamento eleitoral.

Além de Eurípedes Júnior, outras nove pessoas foram denunciadas. São elas: o administrador Alessandro Sousa da Silva, o Sandro do Pros; o assistente social e ex-deputado distrital Berinaldo da Ponte; a servidora pública e tesoureira do Solidariedade Cintia Lourenço da Silva; o empresário Epaminondas Domingos do Nascimento Júnior; o cientista político Felipe Antônio do Espírito Santo; as advogadas Julia Rodrigues Monteiro Barros e Karen Lucia Santos Rechmann; o vigilante Lusiano Francisco de Sousa; e o servidor público Márcio Xavier da Silva.

Na denúncia feita pelo promotor Paulo Roberto Binicheski, Eurípedes Gomes Macedo Júnior figura como líder da organização criminosa, formada pelos familiares dele e por pessoas próximas, de confiança do político, que gerenciava o Pros como um bem particular ao enriquecer ilicitamente por meio do desvio de recursos públicos destinados à atividade político-partidária.

“[Eurípedes] foi responsável diretamente pela apropriação de recursos dos fundos Partidário e Eleitoral, destinados ao Partido Republicano da Ordem Social (Pros), em proveito próprio e alheio, sobretudo em datas similares ou próximas a eventos marcantes da disputa judicial da gestão do partido. Além disso, juntamente a outros integrantes da organização criminosa, furtou numerário significativo pertencente à agremiação política quando não mais podia movimentar formalmente contas bancárias, bem como inseriu declarações falsas nos autos das prestações de contas declaradas perante a Justiça Eleitoral, para fins de macular os crimes anteriormente perpetrados”, detalhou Binicheski.

  • Com disparada dos preços, setor do azeite busca soluções para queda de produção sem precedentes
  • Ex-diretores da Americanas estão foragidos e devem ser incluídos na lista da Interpol

Além de enviar a denúncia, o Ministério Público pediu que os investigados paguem R$ 28.677.749,33, a título de reparação dos danos provocados pelas infrações, e a manutenção da prisão dos suspeitos.

Operação Fundo no Poço
Em 12 de junho último, a PF cumpriu sete mandados de prisão em São Paulo, em Goiás e no Distrito Federal. A ação partiu de denúncia feita por um ex-dirigente do Pros – atualmente integrado ao Solidariedade – contra outro cabeça da sigla. O principal investigado é Eurípedes Júnior.

A PF detalhou que a organização criminosa é responsável por se apropriar de recursos dos fundos Partidário e Eleitoral nas eleições de 2022. Os valores se destinavam a um partido político.

Ex-dirigentes da legenda teriam desviado aproximadamente R$ 36 milhões. A corporação chegou a apreender R$ 29 mil em Goiás. Além disso, houve bloqueio e indisponibilidade de R$ 36 milhões, assim como o sequestro judicial de 33 imóveis, segundo a PF, por meio de ordens deferidas pela Justiça Eleitoral no Distrito Federal.

A corporação também obteve indícios da existência de uma organização criminosa “estruturalmente ordenada”, por meio da análise de relatórios de inteligência financeira e da prestação de contas de supostos candidatos.

O grupo desviava recursos dos fundos e se apropriava das verbas, “utilizando-se de candidaturas laranjas ao redor do país, de superfaturamento de serviços de consultoria jurídica e do desvio de recursos partidários destinados à Fundação de Ordem Social (FOS) – fundação do partido”.

A lavagem de dinheiro seria feita por meio de empresas de fachada, da compra de imóveis, de laranjas e do superfaturamento de serviços prestados a candidatos falsos e ao próprio partido.

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

Nossa Casa TV © Todos direitos reservados