Home » Opinião: Assange será recebido como herói pelos australianos? | CNN Brasil

Opinião: Assange será recebido como herói pelos australianos? | CNN Brasil

por Luciana Caczan
0 Comente
opiniao:-assange-sera-recebido-como-heroi-pelos-australianos?-|-cnn-brasil

Julian Assange não é mártir, mas a perseguição contínua do fundador do WikiLeaks pela administração Trump acabou por torná-lo um – aos olhos de muitos australianos.

Em seu país natal, Assange há muito tempo era um queridinho de advogados de direitos humanos, figuras de esquerda e extrema-direita que adotaram sua causa, principalmente motivadas por uma mentalidade anti-establishment.

Visto por alguns como um narcisista em busca de atenção, que se achava acima da lei e constantemente entrava em conflito com as pessoas ao seu redor, Assange era uma figura difícil de ser apreciada pelo público comum — apesar de várias celebridades, incluindo a atriz de Hollywood Pamela Anderson, a estilista Vivienne Westwood e a estrela britânica de rap M.I.A., que pareciam hipnotizadas por um encanto que poucos outros viam.

Mas desde sua prisão em 2019 a pedido do governo de Donald Trump e seu encarceramento na prisão de segurança máxima de Belmarsh no Reino Unido — depois que ele foi expulso sem cerimônia da embaixada equatoriana em Londres, onde passou sete anos evitando extradição para a Suécia para enfrentar questionamentos sobre acusações de crimes sexuais – atitudes em relação a Assange têm se suavizado.

Uma pesquisa recente mostrou que o apoio na Austrália para libertar Assange chega a 71%.

Isso ocorre em parte porque a perseguição do governo Trump foi vista como exagerada.

Embora um tribunal britânico tenha decidido que Assange “foi além do mero incentivo” a uma denunciante quando ofereceu ajuda à ex-analista de inteligência do Exército dos EUA, Chelsea Manning, para quebrar uma senha e cobrir seus rastros online, as acusações contra Assange relacionadas à subsequente publicação de centenas de milhares de mensagens sensíveis poderiam resultar em até 175 anos de prisão se ele fosse considerado culpado.

O segundo fator foi o tempo.

Um exemplo disso é a mudança emocional do senador australiano Matt Canavan, do Partido Nacional, que faz parte da facção conservadora da política australiana e é um dos parlamentares que recentemente adotou a causa de Assange. Nem sempre foi assim.

“Já chega, acho que todo mundo chegou a essa conclusão”, disse Canavan.

Assange, agora com 52 anos, passou as últimas duas décadas evitando ordens de extradição para não ser enviado para os EUA, onde teme encarceramento permanente ou até mesmo uma morte prematura. Ele resistiu a isso porque declarar-se culpado exigiria sua presença física nos EUA, onde teme a prisão perpétua.

No final, o acordo desta semana para que ele se declare culpado em Saipan, a capital das Ilhas Marianas do Norte, um território dos EUA no Pacífico e rota para a Austrália a partir de Londres, foi uma solução engenhosa.

Ao se declarar culpado, conforme o acordo com os EUA, Assange terá cumprido cinco anos em confinamento solitário.

Na visão de Canavan, “ele cumpriu sua pena.”

Canavan disse que sua própria jornada em relação a Assange começou quando era estudante universitário e apoiava cegamente a invasão do Iraque pelo então presidente dos EUA, George W. Bush, devido a suas posições políticas de direita.

As revelações do WikiLeaks de Assange colocam as fontes de inteligência humana ocidentais em risco pela forma como foram despejadas na internet sem serem editadas. Mas as primeiras divulgações expuseram incidentes chocantes em campos de batalha, incluindo uma tripulação aérea dos EUA que disparou contra civis iraquianos a partir de um helicóptero. Dois jornalistas da Reuters também foram mortos no incidente.

Canavan lamenta ter apoiado essa guerra e é grato ao WikiLeaks por suas divulgações.

“Eu estava entusiasmado e acabei parecendo um tolo porque mentiram sobre as armas de destruição em massa”, disse ele.

“Eu era um torcedor daquela guerra e estou feliz em admitir que estava errado porque ainda estamos lidando com as consequências de entrar naquela guerra.”

Outra preocupação que uniu muitos na divisão política australiana foi a ideia de que os EUA, ou qualquer país, poderiam acusar um de seus cidadãos por violar leis que não foram quebradas em solo americano.

Como Canavan e muitos dos partidários de Assange vêem, o fundador do WikiLeaks se declararia culpado apenas sob coação.

Mas é um acordo que muitos dos apoiadores de Assange têm instado que ele aceite, incluindo o deputado trabalhista australiano Julian Hill, que há muito tempo argumenta que ninguém deveria julgar Assange se ele escolhesse um acordo em troca de viver com seus filhos e sua esposa, Stella Assange, que incansavelmente defendeu sua causa.

Hill me disse que, quando começou a apoiar o caso de Assange, “certamente não estava na moda para aqueles que falavam por princípios”, mas que “ao longo dos anos, a conscientização pública e a opinião gradualmente mudaram”.

No ano passado, Hill intermediou uma reunião com um grupo de deputados de diferentes partidos e a embaixadora dos EUA, Caroline Kennedy.

“Nós deixamos claro, de forma muito respeitosa, a intensidade dos sentimentos e o crescente sentimento da comunidade em torno da necessidade de resolver isso e a complicação desnecessária que isso estava causando na relação entre Austrália e EUA”, ele disse.

Então houve a combinação do presidente dos EUA, Joe Biden, um democrata, e o recém-eleito primeiro-ministro trabalhista da Austrália, Anthony Albanese.

A base de esquerda de Albanese está desconfortável com o aumento das trocas de armas com os EUA, incluindo o AUKUS, o programa para adquirir submarinos nucleares.

Assim, Albanese sentiu a pressão de seus deputados, apoiadores, mídia e figuras sociais proeminentes na Austrália para garantir a liberdade de Assange de uma maneira que um líder de direita, como seu antecessor, o primeiro-ministro do Partido Liberal Scott Morrison, nunca fez.

E ele conseguiu.

“O primeiro-ministro merece enorme crédito por sua determinação e persistência ao longo de muitos anos e pelo julgamento na maneira como lidou com o assunto”, disse Hill, um sentimento ecoado por Canavan.

O caso de Assange sempre atraiu publicidade, já que seus apoiadores continuaram a pedir dinheiro ao público para financiar suas campanhas globais de viagens e mídia.

Isso não mostrou sinais de diminuir na terça-feira (25), quando Stella Assange afirmou que eles precisavam gastar meio milhão de dólares para pagar o voo fretado para casa.

Assange não é visto ou ouvido em público há anos e haverá um enorme interesse da mídia em ouvi-lo diretamente.

A expectativa é que ele esteja indo para Canberra, onde será recebido por alguns, incluindo sua família e apoiadores mais fervorosos.

No entanto, o primeiro-ministro Albanese seria sábio em lembrar que o apoio para encerrar um caso prolongado não necessariamente equivale a afeto local por um homem há muito acusado de apoiar interesses anti-ocidentais.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

Nossa Casa TV © Todos direitos reservados