Home » Paquistão vai às urnas em uma eleição repleta de polêmica | CNN Brasil

Paquistão vai às urnas em uma eleição repleta de polêmica | CNN Brasil

por Luciana Caczan
0 Comente
paquistao-vai-as-urnas-em-uma-eleicao-repleta-de-polemica-|-cnn-brasil

No Paquistão, milhões de pessoas irão às urnas na quinta-feira (8) para uma eleição geral em que antigas dinastias disputam o poder, enquanto o ex-líder amplamente popular do país definha atrás das grades, incapaz de se candidatar, e militantes intensificam ataques mortais.

A tão esperada votação, já adiada por um ano, ocorre em um momento em que o país de 220 milhões de habitantes enfrenta desafios crescentes – desde a incerteza económica e os frequentes ataques de militantes, até às catástrofes climáticas que colocam em risco os mais vulneráveis.

Em um cenário vívido do aumento da violência política no período que antecedeu a votação, 30 pessoas foram mortas em duas explosões que tiveram como alvos escritórios de campanha na província do Baluchistão, pelas quais o grupo militante Estado Islâmico da Província do Paquistão assumiu a responsabilidade.

A Internet móvel foi suspensa em vários distritos da província, causando preocupações sobre um possível um apagão nacional.

O Paquistão também encerrará temporariamente as suas passagens fronteiriças com o Irã e o Afeganistão como medida de segurança, de acordo com o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Mumtaz Zahra Baloch.

Em outros lugares, as tensões políticas aumentam em meio a acusações de interferência dos militares, que negam envolvimento.

O Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), Volker Türk, incentinvou as autoridades a garantirem um “voto totalmente livre e justo” em um comunicado divulgado na terça-feira (6).

“As eleições são um momento importante para reafirmar o compromisso do país com os direitos humanos e a democracia, e para garantir o direito à participação de todo o seu povo, incluindo mulheres e minorias”, acrescentou a porta-voz do ACNUDH, Liz Throssell.

Analistas descreveram a votação como a menos aceitável na história pós-independência do país, acusando as autoridades de “fraude pré-eleitoral” em meio a uma ampla repressão ao partido Paquistão Tehreek-e-Insaf (PTI), do popular ex-líder Imran Khan.

O ícone do críquete Khan, 71 anos, que foi deposto do poder em uma tempestade de polêmica, continua preso por múltiplas condenações e proibido de contestar a votação contra seus rivais. O PTI foi proibido de usar o seu famoso símbolo do taco de críquete nas cédulas, um golpe na estratégia de usá-lo para que milhões de pessoas analfabetas pudessem votar, e as estações de televisão foram proibidas de transmitir os discursos de Khan.

Seu inimigo de longa data, o político veterano Nawaz Sharif, 74 anos, descendente da dinastia política de elite Sharif, está buscando um quarto mandato histórico como líder, no que seria um retorno político notável após anos de auto-exílio no exterior, depois de ter sido condenado à prisão em acusações de corrupção.

Sharif continua a ser muito popular na província paquistanesa de Punjab – a mais populosa do país e um importante campo de batalha eleitoral – onde o seu partido Liga Muçulmana do Paquistão (Nawaz) tem sido elogiado por promover megaprojetos infra-estruturais.

Contra ele está Bilawal Bhutto Zardari, filho de 35 anos da ex-líder assassinada Benazir Bhutto, que procura restabelecer o seu Partido Popular do Paquistão como uma importante força política.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

Nossa Casa TV © Todos direitos reservados