Home » Pesquisador projeta que casos de dengue seguirão em alta em março no RS

Pesquisador projeta que casos de dengue seguirão em alta em março no RS

por Correio do Povo
0 Comente
pesquisador-projeta-que-casos-de-dengue-seguirao-em-alta-em-marco-no-rs

Condições climáticas e falhas na prevenção favorecem o mosquito transmissor da doença, diz Fernando Spilki

“Já seria ruim se apenas empatássemos com os números de 2022 ou 2023: o preocupante é que a tendência é que tenhamos um ano mais difícil”. Assim começa o alerta do virologista e professor da Universidade Feevale, Fernando Spilki, sobre o avanço da epidemia de dengue no Rio Grande do Sul. Para o especialista, o Estado ainda vivenciará o crescimento do número de casos da doença durante o mês de março. “A tendência é de um ano mais difícil”, completa.

Entre os fatores, Spilki destaca as condições climáticas, que historicamente têm favorecido a proliferação do mosquito transmissor, o Aedes aegypti, e a necessidade de estratégias públicas para desacelerar a circulação do vírus.

“Esse é um processo que vem se construindo há muito tempo. A chegada do mosquito ao RS ocorre em meados dos anos 2000, mas até a coisa de três anos atrás não tínhamos todas as condições necessárias, especialmente de temperatura e de regime de chuvas, que promovem a proliferação (do inseto). Esses processos de longo prazo, somados com as questões de aquecimento e de outros extremos climáticos, favorecem enormemente a dispersão da dengue e de outras doenças transmitidas por mosquito”, enumera o pesquisador, que defende ações coletivas imediatas voltadas à prevenção.

“O combate ao mosquito exige esforço do poder público em estratégias combinadas, mas também muito esforço da população, cuidando do seu domicílio e do entorno. E sem invenções, já que medidas são adotadas de forma isolada, por vezes, até mesmo sem comprovação científica. Precisamos atuar com aquilo que já se conhece e que funciona: prevenção, mapeamento e destruição de possíveis focos”.

Conforme a Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul (SES/RS), em 2024 já foram contabilizadas 9.622 notificações, com 4.469 casos confirmados, sendo 3.982 infecções contraídas no Estado, e três mortes confirmadas. Por sua vez, o Aedes aegypti está presente em 466 dos 497 municípios gaúchos. Ainda de acordo com os números oficiais da SES/RS, a progressão de casos é registrada de forma expressiva nos últimos três anos: foram 38.244 em 2023, 67.326 em 2022 e 10.602 em 2021. Os óbitos também aumentam, com 11 em 2021, 66 em 2022 e 54 no ano passado.

Diante dos dados atuais, Spilki projeta que a chegada do outono, na segunda metade de março, será um freio importante para o avanço da doença no Rio Grande do Sul, mas não representará o fim da transmissão do vírus. “Há três anos o mosquito encontra condições de temperatura ideais para sua proliferação, e, infelizmente, esse processo vem se repetindo e provavelmente continuará. Imaginamos que a transmissão deve arrefecer em meados do outono, mas o que devemos enxergar, salvo alguma surpresa, é o estabelecimento da dengue como uma doença permanente no horizonte do Rio Grande do Sul”.

Vacina não substitui a prevenção

Fernando Spilki também coordena o Instituto Nacional de Vigilância Genômica de Vírus e Saúde Única (INCT-One), que atua no monitoramento da evolução de vírus transmitidos por mosquitos no país e promove uma gama variada de pesquisas com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Fundação de Amparo à pesquisa do Estado (Fapergs). E com a experiência de quem trabalha em busca de inovações para conter doenças transmissíveis, o especialista traz um outro alerta importante: a introdução da vacina contra a dengue não pode tomar o lugar da prevenção.

“A vacina será, quando aplicada, por exemplo, no caso gaúcho, quando estiver disponível, uma ferramenta importante, adicional, mas não poderemos abandonar a principal ferramenta de prevenção, que é o combate ao mosquito, ela (imunização) controla a doença, não o vetor”, lembra.

“Uma vacina de duas doses, mesmo que conseguíssemos vacinar os adultos, uma parte muito suscetível, idosos e crianças, seguiria descoberta. E mesmo que fosse possível vacinar as crianças agora, a imunidade se estabeleceria no final ou após o que nós imaginamos ser o fim desta onda de dengue”, detalha Spilki.

O virologista lembra ainda que a imunização sem o controle populacional do Aedes aegypti, sob risco da instalação de outras doenças transmissíveis. “Quanto à questão climática, a situação não modificará tão cedo no caso gaúcho, então temos que aprender com as boas estratégias realizadas em outros estados da federação. Esta é uma conscientização importante, nós precisamos fazer o máximo para combater o mosquito neste momento, com as ferramentas que já temos e comprovadamente eficazes. Todas as vezes que nós tivemos o engajamento da população e o poder público atuante, obtivemos sucesso e reduzimos a disseminação do vírus” reforça.

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

Nossa Casa TV © Todos direitos reservados