Home » Policiais federais reclamam falta de combustível e fim de contratos, em meio a cobrança por mais verba

Policiais federais reclamam falta de combustível e fim de contratos, em meio a cobrança por mais verba

por Agora Noticias Brasil
0 Comente
policiais-federais-reclamam-falta-de-combustivel-e-fim-de-contratos,-em-meio-a-cobranca-por-mais-verba

Policiais federais nos estados relataram falta de combustível, fim de contratos terceirizados de prestação de serviços e dificuldades para receber reembolso de gastos em viagens, nas superintendências e delegacias regionais, desde o início de abril. O corte de R$ 203 milhões no orçamento da PF, nos últimos dois anos, pode prejudicar investigações, as grandes operações e a manutenção das unidades e de diversos serviços, como o de emissão dos passaportes, alertam entidades.

Nesta sexta-feira (19), superintendentes da PF de alguns estados estiveram em Brasília para uma reunião com a direção para discutir o cenário de cada unidade.

Uma das ações especiais que registram redução em abril é a de combate ao crime organizado nas áreas de fronteira e portos, para combater o tráfico de armas e drogas e de contrabando. Realizada em pareceria com as polícias estaduais e Forças Armadas, a ação conjunta tem realizado grandes apreensões desde 2023.

“Já não temos recursos para algumas missões, já há esse contingenciamento que chegou e teve consequências. Nós temos a Operação Argos, por exemplo, que é uma operação relativa aos portos e aeroportos, é um decreto governamental, que já teve um reflexo a partir de 1º de abril e outras operações vão realmente ter uma uma diminuição na sua ação, inclusive com relação aos crimes ambientais”, afirmou o presidente da Associação dos Delegados da Polícia Federal (ADPF), Luciano Leiro. “Em razão da falta de diárias, de passagens para essas ações. Então, isso é algo que já está acontecendo e vai se agravar. Assim como a questão presente de combustível, algumas unidades já tem esse tipo de problema.”

A ADPF afirma que os cortes cumulativos, em 2023 e 2024, vão afetar o funcionamento da PF, de forma generalizada, pois passaram a atingir neste ano os gastos ordinários, como a compra de combustível para as viaturas, as despesas de estadia, alimentação e deslocamento dos policiais para as operações.

  • Veja chegada de Bolsonaro ao Ato no Rio: Assista
  •  “Esse aqui é o maior retrato da democracia que o Brasil pode dar”
  • Ato no Rio com presença de Bolsonaro acontece neste domingo

A Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) também alertou sobre os riscos com os novos cortes. As operações especiais como a Lesa Pátria, que investiga envolvidos nos atos golpistas de 8 de janeiro, a Libertação, de combate aos garimpos nas áreas indígenas da Amazônia e outras, também devem começar a sofrer com os cortes, segundo as entidades.

Em audiência na Comissão de Segurança Pública da Câmara dos Deputados, na terça-feira (16), o ministro da Justiça e Segurança Púbica, Ricardo Lewandowski, apresentou dados sobre os trabalhos da PF e admitiu que os cortes orçamentários foram “drásticos” e que há riscos “prejuízo” para os serviços.

Em relatório da PF, enviado ao Ministério da Justiça e Segurança Pública há uma semana, o corte de verba anunciado é apontado como um problema para desempenho das atividades previstas.

Os cortes no Orçamento federal, anunciados pelo governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT), atingem todas as áreas e buscam um reequilíbrio nas contas públicas. Foram R$ 133 milhões contingenciados neste ano. Em 2023 foram cerca de R$ 70 milhões cortados.

O contingenciamento de verbas teria vindo em um ano em que a PF esperava recuperar o valor retido em 2023. Problema agravado por novos gastos, que engrossam a conta. Entre eles, as despesas em ações na Amazônia, as ações de segurança de autoridades dos eventos do G20 (serão 130 encontros em todos os cantos do Brasil) e as atividades de controle dos CACs (colecionadores de armas, atiradores desportivos e caçadores).

Lewandowski busca agendar um encontro com os ministros da Fazenda e do Planejamento e Gestão, em que deve levar o diretor-geral da PF, Andrei Passos Rodrigues, e o diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Antônio Fernando Souza, para apresentar um pedido de remanejamento de recursos de outras áreas para a segurança. Entre os argumentos usados, estarão os bons resultados obtidos pelas polícias, em investigações e operações recentes, e a ideia de que segurança deve ser tratada como áreas de saúde e educação – que são serviços essenciais do estado e tem limitação de cortes.

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

Nossa Casa TV © Todos direitos reservados