Home » Rússia dispara míssil hipersônico avançado pela primeira vez em ataque à Ucrânia, diz Kiev | CNN Brasil

Rússia dispara míssil hipersônico avançado pela primeira vez em ataque à Ucrânia, diz Kiev | CNN Brasil

por danilomoliterno
0 Comente
russia-dispara-missil-hipersonico-avancado-pela-primeira-vez-em-ataque-a-ucrania,-diz-kiev-|-cnn-brasil

A Ucrânia afirma ter provas de que a Rússia disparou um míssil hipersónico avançado – que os especialistas dizem ser quase impossível de abater – pela primeira vez na guerra de quase 2 anos.

O Instituto de Pesquisa Científica de Perícia Forense, administrado pelo governo de Kiev, disse em uma postagem no Telegram que os destroços recuperados após um ataque em 7 de fevereiro à capital ucraniana apontavam para o uso de um míssil de cruzeiro hipersônico Zircon pelos militares russos.

“As marcações nas peças e fragmentos, a identificação de componentes e peças e as características do tipo de arma relevante” apontam para o primeiro uso do Zircon em combate, disse o instituto, que faz parte do Ministério da Justiça da Ucrânia.

A postagem do Telegram foi acompanhada por um vídeo mostrando dezenas de destroços que se acredita serem do novo míssil.

As autoridades ucranianas relataram que quatro pessoas foram mortas e outras 38 ficaram feridas em Kiev durante os ataques de 7 de fevereiro, mas nenhuma vítima foi diretamente atribuída ao alegado míssil Zircon.

Também não houve menção à plataforma de lançamento do míssil, embora relatos anteriores na mídia estatal russa digam que ele foi implantado em um navio de guerra.

Especialistas dizem que o Zircon, se fizer jus ao que o governo russo diz sobre ele, é uma arma formidável.

A sua velocidade hipersónica torna-o invulnerável até mesmo às melhores defesas antimísseis ocidentais, como o Patriot, de acordo com a Missile Defense Advocacy Alliance (MDAA), sediada nos Estados Unidos.

A aliança afirma que sua velocidade foi estimada em Mach 8, ou quase 9.900 quilômetros por hora. Hipersônico é definido como qualquer velocidade acima de Mach 5 (3.836 mph).

“Se essa informação for precisa, o míssil Zircon seria o mais rápido do mundo, tornando quase impossível defendê-lo devido apenas à sua velocidade”, afirma a aliança no seu site.

O site também aponta a nuvem de plasma do míssil como outra característica “valiosa”.

“Durante o voo, o míssil fica completamente coberto por uma nuvem de plasma que absorve quaisquer raios de radiofrequência e torna o míssil invisível aos radares. Isso permite que o míssil permaneça despercebido em seu caminho até o alvo”, afirma.

Além disso, o MDAA afirma que o Zircon é “um míssil de cruzeiro hipersônico antinavio de manobra” com um alcance entre 500 e 1.000 quilômetros (310 a 620 milhas).

Quando a fragata da marinha russa Almirante Gorshkov partiu numa missão de combate em janeiro, o líder Vladimir Putin vangloriou-se dos mísseis Zircon que o navio transportava.

“Não tem análogos em nenhum país do mundo”, disse Putin, segundo um relatório da agência estatal de comunicação TASS. “Tenho certeza de que essas armas poderosas protegerão de forma confiável a Rússia de potenciais ameaças externas e ajudarão a garantir os interesses nacionais do nosso país”, acrescentou.

Se a Rússia introduzir a nova arma no conflito, isso poderá significar problemas para a defesa aérea ucraniana, que se esforça para repelir os ataques aéreos de Moscou.

As defesas aéreas da Ucrânia tiveram algum sucesso durante o ataque de 7 de fevereiro, derrubando 26 dos 29 mísseis de cruzeiro do tipo Kh-101, Kh-555 e Kh-55, todos os três mísseis de cruzeiro Kalibr e 15 dos 20 drones Shahed disparados pela Rússia. Mas esses são menos avançados que o Zircon.

Apesar disso, os analistas alertam para não exagerar o impacto que o uso do Zircon poderia ter na guerra como um todo.

Por se tratar de uma tecnologia nova – e cara –, uma questão é: quantas a Rússia produziu?

Uma “consideração fundamental é a capacidade da Rússia de produzir e colocar em campo uma capacidade como o Zircon em escala, especialmente porque o programa competirá por recursos financeiros e outros com prioridades como a reconstrução das forças terrestres russas”, Sidharth Kaushal, pesquisador do Royal United Services Institute, em Londres.

Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

Nossa Casa TV © Todos direitos reservados