Home » Suprema Corte analisará recurso de Trump sobre inelegibilidade no Colorado nesta quinta; entenda | CNN Brasil

Suprema Corte analisará recurso de Trump sobre inelegibilidade no Colorado nesta quinta; entenda | CNN Brasil

por karolineporto
0 Comente
suprema-corte-analisara-recurso-de-trump-sobre-inelegibilidade-no-colorado-nesta-quinta;-entenda-|-cnn-brasil

A Suprema Corte dos EUA vai ouvir nesta quinta-feira (8) os argumentos dos esforços históricos para desqualificar o ex-presidente Donald Trump do cargo por causa de seu papel na insurreição de 6 de janeiro de 2021.

O caso gira em torno da “proibição insurrecional” da 14ª Emenda, uma relíquia da Guerra Civil que não foi tocada em mais de um século, até o ataque alimentado por Trump ao Capitólio dos EUA.

Aqui está o que você precisa saber para a audiência de alto risco.

O que diz a 14ª Emenda?

A 14ª Emenda diz que os americanos que prestam juramento de defender a Constituição, mas que depois “envolvem-se em insurreição”, estão desqualificados para ocupar futuros cargos públicos.

A disposição principal da emenda, a Seção 3, diz em parte: “Nenhuma pessoa deverá […] ocupar qualquer cargo […] sob os Estados Unidos […] que, tendo previamente prestado juramento […] de apoiar a Constituição dos Estados Unidos, tenha se envolvido em insurreição ou rebelião contra a mesma, ou deu ajuda ou conforto aos seus inimigos”.

No entanto, a Constituição não especifica como fazer cumprir a proibição. E há um debate jurídico aberto sobre como alguns dos termos da disposição vaga deveriam ser definidos. Por exemplo, o artigo não explica que nível de violência política equivale a “insurreição”.

A proibição foi aplicada contra dezenas de milhares de ex-confederados no século 19. A disposição não foi analisada de nenhuma forma desde 1919.

Como esse caso começou?

Um grupo de vigilância de tendência liberal chamado CREW abriu o processo em setembro de 2023 no tribunal estadual do Colorado. Eles abriram o caso em nome de um grupo de eleitores republicanos e independentes, liderados por Norma Anderson, de 91 anos, pioneira legisladora estadual do Partido Republicano.

Eles processaram a secretária de Estado do Colorado, Jena Griswold, e buscaram uma ordem judicial que forçaria Griswold a remover o nome de Trump da votação primária do Partido Republicano no estado. As primárias estão marcadas para 5 de março.

Na prática, não importa o que aconteça na Suprema Corte, o nome de Trump aparecerá fisicamente nas urnas do Colorado. O prazo para impressão das cédulas já passou. Mas a contagem dos votos dados a Trump será decidida pelos juízes.

Ex-presidente dos EUA, Donald Trump, deixa a Trump Tower em Nova York
Ex-presidente dos EUA, Donald Trump, deixa a Trump Tower em Nova York / 26/01/2024 REUTERS/Eduardo Munoz

Griswold, uma democrata, manteve-se neutra enquanto o caso se desenrolava no Colorado, mas desde então apoiou a retirada de Trump das urnas.

Que decisão a Suprema Corte dos EUA está analisando?

A Suprema Corte dos EUA está analisando uma decisão da Suprema Corte do Colorado, que afirmou, em uma decisão histórica por 4-3, em dezembro de 2023, que a “proibição insurrecionista” se aplica a Trump.

Para chegar a essa conclusão, os juízes do Colorado também decidiram contra Trump em vários outros assuntos importantes.

Eles concluíram que a proibição se aplica à presidência, embora a presidência não seja explicitamente mencionada na Seção 3, da 14ª Emenda. Concluíram que os tribunais têm o poder de fazer cumprir a proibição e não precisam esperar pela autorização do Congresso. Eles também concluíram que o julgamento baseado em Denver, capital do Colorado, foi conduzido adequadamente de acordo com as leis eleitorais do estado que regem os desafios de acesso às urnas.

Trump quer que a Suprema Corte dos EUA anule essas conclusões. Se ele tiver sucesso em apenas uma dessas frentes, seria suficiente para implodir a decisão do Colorado e restaurar seu lugar nas eleições no estado.

O que aconteceu em outros estados?

Apenas dois estados retiraram Trump das urnas com base na 14ª Emenda e no ataque do dia 6 de janeiro ao Capitólio. A principal autoridade eleitoral no Maine chegou a uma conclusão semelhante e determinou que Trump está constitucionalmente impedido de exercer o cargo.

Mulher vota em Falls Church, no Estado da Virginia, EUA / 07/11/2023 REUTERS/Kevin Lamarque

Trump está recorrendo dessa decisão, mas o processo está suspenso enquanto a Suprema Corte trata do caso do Colorado.

Casos semelhantes da 14ª Emenda foram rejeitados – todos por razões processuais – em vários outros estados, onde grupos jurídicos bem financiados apresentaram ações judiciais. Isso inclui Minnesota, Michigan, Illinois, Massachusetts e Oregon.

Como Trump respondeu?

Trump ridicularizou esses processos em seus comícios de campanha. Os seus advogados e conselheiros argumentaram que seria “antiamericano” privar os eleitores da oportunidade de decidir se o ex-presidente deveria voltar à Casa Branca.

Eles alertaram em um documento da Suprema Corte no mês passado que haveria “caos e confusão” se os estados pudessem impedi-lo de ser receber votos.

Nas suas tentativas de rejeitar o processo antes do julgamento em outubro, Trump argumentou, sem sucesso, que o caso interpretava mal as leis de acesso às urnas do Colorado, que o processo levantava uma “questão política” que apenas o Congresso poderia decidir e que violava os seus direitos de liberdade de expressão.

Alguns dos seus argumentos mais recentes poderão encontrar uma audiência mais receptiva na Suprema Corte dos EUA, com a sua maioria absoluta conservadora.

Donald Trump faz discurso em Laconia, New Hampshire / 22/1/2024 REUTERS/Elizabeth Frantz

Isso já aconteceu antes?

Seria sem precedentes aplicar a “proibição insurrecionista” da 14ª Emenda a um candidato presidencial. Mas nunca houve um caso como este na história porque nenhum presidente dos EUA alguma vez participou em algo que se assemelhasse a uma insurreição como Trump fez ao tentar anular as eleições de 2020.

A proibição foi aplicada apenas uma vez na era moderna – e o CREW, que apresentou o caso no Colorado, esteve por trás desse esforço bem-sucedido.

Um dos manifestantes condenado em 6 de janeiro, que também era comissário do condado do Novo México, foi destituído do cargo no outono de 2022 com base na 14ª Emenda, por meio de um mecanismo legal diferente, mas relacionado.

Nesse caso, o funcionário já havia sido condenado por um crime relacionado ao 6 de janeiro. Trump enfrenta acusações estaduais e federais relacionadas à invasão do Capitólio e às suas tentativas de anular as eleições de 2020 – mas ele se declarou inocente e ainda não foi a julgamento.

A disposição não diz que é necessária uma condenação criminal para desencadear uma desqualificação, embora alguns juristas tenham concluído que uma condenação ajudaria a garantir que houvesse o devido processo antes de alguém ser impedido do cargo.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

inglês

versão original

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

Nossa Casa TV © Todos direitos reservados