Home » Tarcísio e Nunes vão a ato de Bolsonaro

Tarcísio e Nunes vão a ato de Bolsonaro

por Agora Noticias Brasil
0 Comente
tarcisio-e-nunes-vao-a-ato-de-bolsonaro

A decisão do prefeito Ricardo Nunes (MDB) e do governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) de ir à manifestação convocada pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) surpreendeu parte do bolsonarismo, que elogia o gesto a favor do aliado.

O prefeito já afirmou que não pretende discursar. Já Tarcísio deve fazer uso da palavra, segundo o próprio Bolsonaro –informação ainda não confirmada por sua assessoria. O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), também confirmou presença no ato deste domingo.

Nunes, que concorre à reeleição com o apoio explícito de Bolsonaro, declarou que irá ao ato deste domingo (25), na avenida Paulista, apesar dos apelos contrários de emedebistas, que temem a rejeição do ex-presidente no eleitorado da capital e a associação com o suposto golpismo.

Além disso, as imagens do prefeito ao lado de Bolsonaro serão exploradas pelo adversário Guilherme Boulos (PSOL), que tem o apoio de Lula (PT) e quer nacionalizar a eleição de São Paulo.

Estrategistas de Nunes, contudo, minimizam o prejuízo eleitoral. Na verdade, defendem haver ganho em fidelizar o apoio dos bolsonaristas, já que a esquerda não votaria no prefeito de qualquer forma.

Aliados de Nunes dizem que a decisão dele de comparecer foi pessoal. Embora o prefeito simpatize com o ex-presidente, seus movimentos de aproximação e afastamento em relação a Bolsonaro envolvem cálculo eleitoral e um cabo de guerra entre bolsonaristas e emedebistas.

Na última segunda-feira (19), em evento na prefeitura, Nunes aproveitou para reforçar pontos que equilibram seu vínculo com Bolsonaro, como a defesa da vacina e a posição de centro do MDB. Para sua equipe, a postura do ex-presidente na pandemia explica sua derrota e, por isso, Nunes deve ressaltar sua discordância nesse ponto.

Ao longo da semana, por outro lado, Nunes defendeu Bolsonaro dizendo que o ex-presidente tem presunção de inocência. “Eu sou um fiel defensor da democracia. […] Manifestação é ato legítimo e sublime da democracia, só não pode ter baderna e não pode ter ofensa”, disse na quarta (21).

Auxiliares do prefeito e também bolsonaristas avaliam que havia pouca margem para que ele não fosse ao protesto após a convocação geral de Bolsonaro, já que o eleitorado do ex-presidente cobra fidelidade e caberia a Nunes retribuir o apoio nesse momento de fragilidade.

  • Ana Hickmann tem até 72 horas para pagar nova dívida de R$ 4 milhões
  • Cinco partidos com ministros no governo Lula confirmaram presença no ato de Bolsonaro
  • Helicóptero com vice-governador do RS faz pouso de emergência

Com o ato, Bolsonaro busca se blindar do inquérito do STF que investiga uma suposta tentativa de golpe de Estado.

A ausência, portanto, faria um estrago na imagem do prefeito perante a direita bolsonarista, que não vê em Nunes o candidato dos sonhos, mas o possível –e só deve votar nele depois de Bolsonaro ter deixado claro que apoia o emedebista em detrimento de Ricardo Salles (PL), que também estará no ato.

Há, inclusive, receio de que Nunes seja vaiado pelo público, mas bolsonaristas dizem acreditar que isso não acontecerá, afinal o prefeito estará respaldado por Bolsonaro.

“A gente espera de Nunes e de Tarcísio gestos pró-Bolsonaro. Os aliados são esperados em momentos difíceis. Acho que Nunes só ganha com isso, é um gesto público de aproximação. Ele assumiu riscos, comprou briga com o partido dele, é um gesto bem grande”, disse à reportagem o deputado estadual bolsonarista Gil Diniz (PL).

Fabio Wajngarten, braço direito de Bolsonaro e crítico de políticos que aproveitam seu potencial eleitoral, mas não o defendem, disse que o ato é uma “demonstração enorme força política” do ex-presidente. “Nesse momento todos os apoios são extremamente bem-vindos.”

À esquerda dos bolsonaristas, Soninha Francine, secretária da gestão Nunes, criticou a decisão do prefeito de ir ao ato, enquanto Aloysio Nunes (PSDB), ex-secretário, disse que a manifestação é “suicídio político coletivo”.

Tarcísio, por sua vez, também acumula seus altos e baixos na relação com o ex-presidente e com os bolsonaristas ao apostar num estilo mais ponderado e dialogar com opositores, sem deixar de comprar parte das pautas da extrema direita.

De acordo com aliados, caso ele discurse, terá um tom moderado como de costume. O governador vai hospedar Bolsonaro no Palácio dos Bandeirantes para o ato.

Assim como Nunes, Tarcísio é cobrado por aliados do ex-presidente a defendê-lo. Ele tem sido pressionado por não ter se manifestado publicamente a favor de Bolsonaro após a operação da Polícia Federal que o atingiu.

Ao contrário de Bolsonaro, Tarcísio buscou não comprar briga com os demais Poderes e, por isso, deputados bolsonaristas chegaram a duvidar da sua presença

Parte deles afirma acreditar que o governador não estará confortável no palanque, mas interlocutores de Tarcísio dizem que não há incômodo e que, sendo aliado de Bolsonaro, não poderia faltar a um ato importante. Na terça (20), Tarcísio não quis responder a jornalistas sobre o ato.

Ainda de acordo com o entorno do governador, ir à Paulista ajuda a equalizar seus gestos. Era esperado um aceno para a direita bolsonarista depois de encontros com dois dos principais adversários do ex-presidente.

No último dia 2, Tarcísio esteve com Lula em Santos (SP) para anunciar um acordo para a construção do túnel até Guarujá (SP). A cena em que o presidente arranca risadas do governador incomodou os militantes mais radicais.

Já na sexta (23), Tarcísio elogiou a Justiça Eleitoral em evento com presença do presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Alexandre de Moraes, que atua nos inquéritos que envolvem Bolsonaro.
Tarcísio é, inclusive, uma das saídas encontradas por Nunes –como mostrou o Painel, o prefeito avalia ir ao ato com o governador para dividir o peso de aderir à manifestação.

Na opinião de emedebistas, Nunes já demonstrou quem ele é e sua ligação com o MDB, partido de oposição à ditadura, portanto um ato isolado não irá levá-lo para a extrema direita.

“Nosso intuito é construir um arco de alianças que realmente represente uma diversidade de forças políticas. O Ricardo Nunes é MDB raiz e não tem um padrinho político. Ele tem a trajetória dele”, diz o presidente do MDB municipal, Enrico Misasi.

CAROLINA LINHARES
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)

você pode gostar

SAIBA QUEM SOMOS

Somos um dos maiores portais de noticias de toda nossa região, estamos focados em levar as melhores noticias até você, para que fique sempre atualizado com os acontecimentos do momento.

categorias noticias

noticias recentes

as mais lidas

Nossa Casa TV © Todos direitos reservados